segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Desafio - primeiras fotos

As primeiras fotos a que tive acesso foram tiradas pelo Daniel Serafim, o Daniel é daqueles caras que não pedalam nada mas estão sempre fazendo barulho nas nossas provas. :-) Depois de ter pedalado algumas provas em 2005 e 2006 ele deu um tempo, mas está prometendo voltar em 2010.

Ele tirou fotos apenas da chegada, acredito que hoje ou amanhã novas fotos serão disponibilizadas.

Abaixo a Laranja Mecânica, bicicleta do meu conterrâneo Paulo Bagatini, que pela última pesagem estava com uns 32 kg!! Reza a lenda que a bicicleta só se mantêm de pé por conta das "centenas" de selos de provas de Audax, se eles forem retirados ela se desintegra.

Reparem nos paralamas. :-)

Dêem uma passada de vez em quando no blog da Sociedade Audax, é por lá que as fotos devem aparecer.

domingo, 29 de novembro de 2009

Desafio 130 km - primeiras impressões

A prova ainda não acabou e eu já estou aqui dando palpites.:-)

Pedalei os 130km em pouco menos de 7 horas! Para mim foi excelente diante dos poucos treinos e do calor senegalesco à partir do meio-dia! A reza braba do Helton não funcionou e o sol não deu tréguas até a chegada no DC. Tivemos algumas quedas que, até onde sei, não tiveram maiores consequências e que foram prontamente atendidas pela equipe de resgate e pela CONCEPA.

A prova foi muito bem organizada com um destaque especial aos voluntários, é legal ser atendido por gente de bom humor, que sabe das necessidades dos ciclistas por uma razão bem simples: Eles também pedalam!!

Para encerrar: Quero fazer um post mais longo sobre algumas coisas que vi na prova sob a ótica de quem organiza, mas já vou deixar o assunto no ar. Nenhum organizador, muito menos a Ninki, tem que ficar tomando mijada da PRF por conta de uma turma que insiste em andar em cima da pista! Eu estava no PC quando a PRF chamou a Ninki de lado e soltou o verbo!!! Todo ano é a mesma coisa e essa história só pode ter um dos 4 finais abaixo:
- O pessoal se conscientiza e respeita essa orientação da PRF.
- A PRF proibe todas as provas por conta disso.
- A Ninki e outros organizadores chegam a conclusão que não vale a pena se arriscar por conta desse pessoal.
- Uma hora dessas da m... das grandes e daí a coisa não tem mais volta.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Paralamas - (mais) um defensor fervoroso

Tem uma turma que pedala Audax que não bate bem!! :-) Um deles, o Helton, escreveu o comentário mais longo que esse blog já recebeu. Ele escreveu sobre a sua íntima relação com a sua bicicleta e seus paralamas!

Me dei a liberdade de copiar todo o comentário e colá-lo abaixo, vale a leitura. Para quem acha que o Helton não pedala nada sugiro a leitura do blog que eles escreveu numa viagem de quase 5000 km que fez no fim de 2006 - início de 2007.

A minha decepção em relação ao Helton é que a bicicleta dele não tem outro acessório imprescindível a um pica-pau dos tempos modernos: o pezinho! Mas deixa assim, ninguém é perfeito! ;-)


A bicicleta utilizada na viagem

Boa leitura

**************

Bah! Eu na condição de ser eu, não poderia deixar de fazer um longo comentário (e pelo jeito vou ser o primeiro).

Achei o post muito pertinente, mas achei que não foi suficientemente enfatizada a importância, relevância e pertinência dos paralamas. Portanto, sugiro mudar o último parágrafo para:

"Eu uso paralamas a uns (n) anos e recomendo a todos que não são viciados em estética, mas que se preocupam com desempenho, e buscam "aprimorar a experiência do usuário" sobre a bicicleta de forma radical (do tipo antes/depois), que instalem o quanto antes um bom paralama fixo com apara-barro e nunca mais o tirem da bicicleta - nem em dias de sol! Dessa forma, garantirão não só seu conforto e saúde, mas também multiplicarão a vida útil da sua bicicleta"

Agora, as razões de eu fazer uma afirmação tão "paralama-xiita" assim:

1 - Paralama não prejudica o desempenho, a não ser num belo dia de sol. Caso o tempo e o chão não estejam totalmente secos, a bicicleta e o ciclista rendem muito mais se a podridão lançada para cima pelas rodas não os atingirem;
2 - A lubrificação da corrente dura cinco vezes mais caso seja usado um paralama (experiência própira confirmada por anos de uso);
3 - Caso não haja pressa, é possível sair de casa imediatamente após a chuva para passear sem sujar a bike nem se sujar;
4 - Quanto mais se anda com uma bicicleta equipada com paralama NA CHUVA, mais limpa ela fica (e vice-versa);
5 - Todo mundo sabe que bastam uns poucos metros de chão molhado ou sujo para que a bike e o ciclista fiquem sujos. O que ninguém sabe é quando pode ser que apareça uma poça, uma rua com cano estourado, um esgoto... Por isso o ideal é usar o paralama sempre.
6 - Ao contrário do que parece, o paralama dianteiro é tão ou mais útil do que o traseiro, já que a água que a dianteira lança vai direto para os pés, para as coroas do pedivela, para o bico da caramanhola, e para a nossa cara - e nossos olhos, certamente.
7 - por falar em paralama dianteiro, eu posso também afirmar que a melhor coisa que já inventaram é o apara-barro, também conhecido como "saia". Apesar de parecer algo totalmente brega, eu quase chego a pensar que a principal função do paralama dianteiro é servir como ponto de apoio para o apara-barro, pois é este que impede que a corrente se infeste de lama ou poeira, bem como os pés (lavar bermuda e camiseta é barbada comparando a lavar tênis ou sapatilha...).

Ainda hoje fui à Azenha e consegui um tapete usado de automóvel, bem grosso, de graça. Fixei-o no paralama dianteiro, e espero que funcione bem no audax domingo (sim, eu quero que chova, não aguento mais de calor).

Agora, três últimas dicas para garantir uma experiência do usuário ótima:
1 - as hastes de fixação determinam completamente a firmeza do conjunto, portanto elas devem estar retas e ser firmes, especialmente nos pontos de fixação, evitanto que o paralama fique batendo na roda e/ou fazendo barulho;
2 - no caso de paralamas de lata (que são os que uso na tandem), é conveniente colocar forrações de borracha nos pontos onde ele encosta no quadro, evitanto aquele barulho horrível e típico de "barra-forte". Minha bike está totalmente vacinada, felizmente, e não faz barulho de lata mesmo possuindo paralamas de lata;
3 - o apara-barro dianteiro estará corretamente posicionado caso a beirada inferior dele arraste no chão com uma certa sobra. Tem que ficar escandalosamente comprido e de preferência largo, aí sim ele funciona que é uma beleza.

Nos vemos domingo! E que chova!

A chuva e os paralamas

A previsão do tempo para domingo deu uma melhorada nos últimos dias, mas quem for a Porto Alegre pedalar o Desafio ou a Santa Maria pedalar o Audax UAF pode se precaver um pouco e minimizar as consequências de um banho de chuva. :-(

Nessas horas eu admiro os nossos amigos randoneiros europeus que equipam suas speeds com paralamas, para pedalarem na chuva com um pouco mais de conforto. A água suja da estrada é levantada pelo pneu traseiro, bate nas costas e escorrega para dentro da bermuda onde é "filtrada" pelo forro, deixando ali dentro um pouco de terra! O volume de terra vai depender de quanto tempo chova, da sujeira dos acostamentos e da qualidade da camisa, pois grande parte dessa sujeira para por ali mesmo. Mas a terra que fica na bermuda por várias horas em constante fricção junto as coxas, virilhas e "partes íntimas" já fez várias vítimas nos últimos anos nas provas em que participei.

Eu uso paralamas a uns 5 anos e recomendo a todos que não tem preocupações estéticas ou de desempenho, mas buscam no ciclismo saúde, companheirismo e lazer com um mínimo de conforto.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Audax do Vale - faltam 5 meses!

Nesse exato instante faltam 5 meses para o Audax do Vale 2009! Os preparativos começaram com a inclusão da nossa prova no Calendário Oficial de Eventos do Município de Lajeado e seguem semana que vem com a primeira reunião de planejamento, que visa cumprir com antecedência algumas questões legais junto as autoridades que tem o poder de liberar o nosso evento.

Ano a ano a prova vem crescendo e isso nos traz alguns bons problemas! Todos os anos perdemos alguns voluntários que optam por pedalar a prova, contaminados que foram pelo o que viram no ano anterior. Mas sempre novas pessoas se unem a nós à beira da estrada ou nos PC´s para tentar fazer uma prova boa para quem organiza, mas principalmente para quem pedala!

As inscrições abrem no dia 25/02 e seguem abertas até o dia 11/04 ou até serem preenchidas todas as vagas.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Audax Randonnee X Desafio

O Audax Randonnee e os Desafios propostos por alguns organizadores, mas principalmente pela Sociedade Audax através da Ninki, tem propósitos semelhantes mas públicos diferentes. Foi com surpresa que ouvi dela que dentre os quase 150 inscritos menos de 10 participantes são de fora da região metropolitana!

Na minha opinião isso se dá pela "informalidade" do Desafio, pois na visão de muitos "ele não serve para nada", pois para pedalar cento e poucos quilômetros ninguém precisa ir tão longe como eu, o Bagatini e mais meia-dúzia se propuseram. Isso fica bem claro ao se analisar a origem dos ciclistas do último Audax Randonnee organizado em Porto Alegre, veio gente de vários estados brasileiros (RS, SC, PR, RJ, DF,...) e parece-me que até um hermano deu as caras por lá.

Enquanto que a prova de 200km tinha um apelo muito forte, já que era a primeira prova dessa distância para a temporada 2010, o Desafio é visto de uma maneira diferente pelos inscritos:
- é um passeio para quem tem experiência,
- uma tentativa de recomeço para quem não conseguiu manter o ritmo de outros tempos, e
- uma porta de entrada para quem nunca pensou em ir tão longe pedalando.

Apesar de ser uma prova que tem grande parte do público local o número de inscritos impressiona.

Antes da prova pretendo analisar com mais calma a lista de inscritos para verificar quantos nunca participaram de um Audax Randonnee. Se a teoria da Ninki, que diz que o Desafio é uma porta de entrada para o Audax, for verdadeira teremos em Porto Alegre no ano que vem provas de 200km com mais de 2 centenas de inscritos.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Vida de blogueiro

Tem dias que eu posto um assunto que considero super legal, entremeio os meus comentários "geniais" com tabelas com centenas de números e gráficos que parecem um eletrocardiograma de alguém infartando. Nesses dias fico preocupado, pois tanta "genialidade e informação" podem sobrecarregar os serviços do Blogger diante dos milhares de acessos e comentários que o assunto vai render. :-)

Daí eu acordo, caio na real e vou olhar as estatísticas e o blog não teve visitantes suficientes para encher uma kombi. :-(

Por falta de tempo e inspiração faz uns quantos dias que não posto nada, por isso me surpreendi quando vi que o número de visitantes está muito acima da média. Olhando as estatísticas verifiquei que o responsável por isso é o temporal de ontem em Porto Alegre!

Em 2008 uma prova da Sociedade Audax foi cancelada por causa de um temporal e isso foi anunciado aqui no Blog e eu me esqueci do assunto. Mas diante de tantas visitas fui no Google e fiz a pesquisa, cliquem aqui e vejam com os seus próprios olhos qual é o primeiro link apontado quando se digita "fotos do temporal em porto alegre"!!

Acho que vou começar a me preocupar menos com o conteúdo e mais com palavras-chave que aumentem o número de visitantes do blog. :-)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Coisas óbvias

Estou inscrito para o Desafio que a Ninki organiza no próximo dia 29! Eu NÃO deveria ter feito isso, pois 2009 é o ano que menos pedalei desde o longíquo 1995 quando me mudei para Lajeado. Mas lá vou eu de novo, sem o preparo ideal para uma prova desse porte!

Nessas horas, onde a condição física não ajuda, qualquer detalhe é importante, por isso coisas óbvias devem ser observadas, sob o risco de se ficar pelo caminho por uma bobagem qualquer.

Tem coisas que eu NUNCA mais deixo para a última hora, pois a minha experiência de 6 anos de Audax ensinaram que tem coisas que podem ser feitas com um pouco de antecedência:

- Calibrar os pneus. Já pedalei 250 km durante um 300 com 18 libras no pneu traseiro. Não adianta achar que vai ter um posto de combustível na entrada do DC ou que algum ciclista vai ter uma bomba melhor que a sua para dar a última calibrada. Eu encho o pneu na 5a. ou 6a. feira sabendo que tenho de enchê-lo novamente, mas se eu não puder fazer isso,ou esquecer, ele não vai estar muito vazio na hora da prova.

- Encher as caramanholas. Já vi gente indo até o primeiro PC pedindo "água emprestada" para os parceiros de prova ou saindo depois de todo mundo porque teve de ir "ligeirinho" ao banheiro(!) completar a caramanhola. Eu as encho na 6a. feira e se me lembrar (tô ficando esquecido) substituo essa água na domingo pela manhã, essa água "dormida" sempre vai ser melhor que a água do banheiro.

- Reservar hotel: Não sei o tamanho do hotel de Poa, mas aqui em Lajeado o hotel que fica ao lado da largada lota uma semana antes da prova. O outro hotel com que temos convênio fica a uns 2km do Shopping. Já aconteceu de ciclista me ligar às 5:45, 15 minutos antes da largada, perguntando onde ficava o Shopping porque ele tinha "conseguido" se perder do hotel até ali. O hotel "oficial" é sempre o melhor, pois lá estão as figuras que pedalam a anos e podem passar um pouco de sua experiência para quem está começando.

- Comprar comida com antecedência. Sempre leve alguma coisa para comer entre os PC´s porque esse papo de comprar algo no PC é meio relativo, principalmente para os novatos que estão ainda meio desambientados e podem simplesmente se esquecer de fazer isso.

Alguma novidade? Nenhuma! Mas quem estiver na largada dessa prova observe a correria de última hora, sempre tem alguém enrolado com um dos itens acima.

O que é Audax-RJ

O argumento de pesquisa acima foi utilizado hoje pela manhã no Google que listou dentre as suas opções um link aqui no nosso blog.

Tomara que seja alguém da Ouvidoria do RJ procurando se inteirar do que é o Audax.

Já sei de 3 gaúchos que enviaram email para lá solicitando que a prova seja liberada, além de mim, teve o Marcos de Ijuí e o Fábio Lazzarotto de Porto Alegre.

Tomara que a prova saia e quem sabe se a patroa, o chefe e a minha filha liberarem eu vá até a cidade maravilhosa, já que a minha última passagem por lá foi a mais de 30 anos.

Quem tiver um tempo mande um email para lá pedindo a liberação da prova. O endreço está no post abaixo.

sábado, 14 de novembro de 2009

Na idade da pedra lascada

O Eduardo que organizou as provas de 2008 e 2009 no RJ lançou um apelo para que a prefeitura da "cidade maravilhosa" autorize o Audax 200 do dia 17 de janeiro. Lá no fim do texto tem o email da ouvidoria da cidade, leiam o texto e percam 5 minutos desse fim de semana chuvoso no RS para cutucar a prefeitura do RJ.

Após mandarem o email para a prefeitura do RJ mandem uma cópia do email para o Edu:
edubenhar@gmail.com

******

Olá amigos e amigas,

Em 2008 e 2009 eu fui um dos organizadores do Audax Rio, uma fantástica categoria esportiva, não competitiva, a mais tradicional prova ciclística do mundo com mais de 100 anos. No Rio fizemos o primeiro Audax urbano do Brasil em 2008 e o repetimos em 2009. Foram 200 km pelo centro e zonas norte, sul e oeste, que mesclaram as grandes avenidas do centro, o Maracanã, a Floresta da Tijuca e toda a orla carioca. A cidade maravilhosa é o palco ideal para esse grande encontro de ciclistas entusiastas das longas distâncias. Mas como não sou especialista em promover eventos assim, as provas de 2008 e 2009 foram muito simples, sem patrocinadores.

Em 2010 o Audax Rio tem 3 provas marcadas no calendário oficial: 200 km em 17/1 e 14/3, 300 km em 12/6. O Audax Rio já tem um novo organizador que, mais experiente e dedicado, poderá aperfeiçoar os eventos. No entanto, ainda está pendente a autorização da prefeitura para a prova de 17/01, por isso escrevo a todos pedindo que invistam alguns minutos de seu tempo para escrever à prefeitura solicitando que autorize e apóie o Audax Urbano da Cidade Maravilhosa. Uma iniciativa dessas tem tudo a ver com Rio 2016 e com o projeto 'Rio, o estado da Bicicleta'.

Acho que não são poucos os que gostam do esporte cooperativo e do ciclismo de longa distância, por isso acredito que se cada um mandar uma mensagem à prefeitura faremos uma pressão social legítima a favor de um evento que só acrescenta coisas boas a esta cidade olímpica.

Enviem suas mensagens pedindo que a prefeitura autorize o Audax 200 de
17 de janeiro para a Secretaria Municipal de Esportes:
ouvidoriasmel@pcrj.rj.gov.br

Agradeço a todos e peço que enviem cópia de suas mensagens para meu e-mail, assim posso registrar a mobilização de todos.

Para saber mais sobre o Audax Rio visite o nosso blog.

Qualquer dúvida me escreva.

Forte abraço,

Eduardo Bernhardt

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Medalha de Super Randonneur

Já relatei aqui em postagens passadas as brigas homéricas acontecidas em anos passados entre os "revoltados" do sul e o pessoal que organizava as provas no Brasil.

Dentre os ditados populares sobre "guerras" tem 2 que me chamam a atenção:
- Na guerra a primeira vítima é a verdade;
- Na guerra existem, no mínimo, 3 pontos de vista. O meu, o seu e a verdade, que nem sempre é um ponto equidistante entre as 2 partes.

Hoje me sinto um pouco vítima dessa guerra, apesar de ter sido um dos principais articulistas, pois nos dois anos que fiz a série completa (600km) não adquiri a medalha de super randonneur. :-( E não adquiri essa medalha por algumas razões bem simples:
- Não sabia que custava tão pouco (uns R$ 37,00).
- A encomenda passava pelo pessoal que estávamos em constante litígio e
- Achei que num futuro próximo eu continuaria tendo tempo para pedalar naquele ritmo e fazer outra série.

Em 2005 recebemos o troféu Alexandre Luz, ciclista morto por atropelamento naquele ano durante uma prova de 400km em SP. Em 2006 recebemos apenas a medalha e o certificado.

Por isso vai aqui a minha sugestão para quem vai pretende pedalar até o 600 em 2010: Reserve uns reais para a compra dessa medalha, pois se num primeiro momento ela aparentemente não acrescenta muito, mas num futuro próximo pode ser uma bela recordação para mostar para os filhos, netos,....

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Graças ao trabalho do nosso voluntário Eldo Dullius, conseguimos que o Audax do Vale 2010 mais uma vez faça parte do calendário oficial de eventos de Lajeado.

À distância isso pode parecer insignificante, mas a chancela do município para o nosso evento abre muitas portas. É muito mais fácil contatar orgãos como PRE, PRF, prefeituras de outras cidades, Brigada Militar, UNIVIAS, ... tendo como parceiro do nosso evento a prefeitura da maior cidade do Vale do Taquari.

De prático a prefeitura nos fornece as barracas que ficam junto da chegada, alguns cones de sinalização e outros materiais de apoio. Em anos passados pedíamos também o palco e a sonorização do evento, mas com o passar do tempo vimos que o palco não tinha uma função importante na chegada e a sonorização era barata demais para não caber no nosso orçamento.

Por isso a função principal de pleitarmos a participação no calendário de Eventos do Município tem um caráter muito mais institucional do que financeiro.

E aqui entre nós, se uma prova como a nossa que ano passado teve mais de 150 participantes não conseguir pagar as suas contas ela nem tem o direito de acontecer.

O Audax do Vale movimenta pelo menos 250 pessoas entre atletas, familiares, voluntários e apoiadores. Cerca de 100 pessoas se hospedam nos hotéis conveniados com a nossa prova e quase todos jantam, ou ao menos lancham no Unicshopping nos 2 dias do evento.

Como premissa básica, preferimos ser "credores" do município movimentando pelo menos uns R$ 20.000,00 nesse fim de semana do que ficar "pendurados nas tetas do erário público". Para isso tem gente que é profissional.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Audax 2010 - Analisando o calendário

O Rio Grande do Sul baterá em 2010 o seu próprio recorde de provas de Audax Randonnee serão 19 provas ao longo do ano! Até hoje os anos de 2008 com 13 provas e 2009 com 14 foram os anos com mais eventos realizados.

Teremos, nada mais, nada menos do que 8 provas de 200km durante o ano, pena que 4 delas serão em março e 2 em abril. Ou seja, continuamos com a má distribuição de provas.

Sob a ótica do organizador tantas provas em tão pouco tempo acarretam uma "concorrência" entre elas, causando com isso um menor número de atletas. Sob a ótica do ciclista isso também não é bom, pois além do aspecto financeiro, tem o problema da logística (família, treinos, serviço,...) que invializam a participação em todos os eventos que ele poderia ir.

É claro que organizar provas em meses como janeiro, fevereiro, junho(?), julho e agosto é "dar um tiro no pé", pois nesses meses o calor ou o frio acabariam por afastar muitos ciclistas e os que se arriscassem a participar poderiam ter que ser resgatados.

Mas é incompreensível que meses como maio e setembro não tenha nenhum evento de 200km. A única explicação para isso é o hábito, ou melhor o mau hábito, de organizar provas apenas no início da temporada.

Menos mal que sempre aparece alguém corajoso o suficiente, como o Valim em Santa Cruz, que quebrou esse ciclo e já em 2007 organizou uma prova no mês de novembro com um bom número de participantes. Em 2010, além do Valim teremos a Ninki organizando uma prova de 200km no segundo semestre.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Calendário 2010

Foi confirmado o calendário 2010 para as provas de Audax Randonnee.

Abaixo um rápido resumo da distribuição dessas provas por estado e mês de realização.

À noite, com mais tempo, faço uma análise mais detalhada.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Homologações 2009

Esse blog tem números espalhados por quase todas as postagens, mas de vez em quando eu me passo :-(

Me esqueci de publicar os números das homologações da prova de 2009, esses números são importantes para quem busca a medalha de Super Randonneur, que é destinada a quem fez a série completa num mesmo ano (até o Audax 600).

Por isso quem precisa saber do número de sua homologação pode clicar na medalha abaixo que terá acesso a lista providenciada pelo Faccin junto a ACP.

Essa é a medalha que os ciclistas têm direito de pleitear, desde que paguem por ela :-)


A imagem dessa medalha foi copiada do blog do Audax Santa Cruz do Sul, mas não achei em nenhum local a confirmação se essa é a medalha de 2009.
O gráfico abaixo mostra a distribuição dos ciclistas por número de participações em provas de Audax no RS. Como escrito numa postagem anterior mais da metade (53%) dos ciclistas que já pedalaram provas aqui no RS pedalaram apenas uma prova!! Se somarmos a esse percentual os que pedalaram 2 provas temos 72%!

Esses números contradizem muito do que se fala na nossa turminha :-) onde é voz corrente que o ciclismo de longa distância aproxima as pessoas, pois mostra o lado lúdico da vida ao trocarmos possantes veículos propelidos a combustível fóssil de características poluidores que blá, blá, blá.... por bicicletas que integram o ser humano a natureza que o cerca, onde blá, blá, blá,....

Pode parecer que o pessoal "amarela" depois do 200, mas eu me lembro da primeira vez que pedalei mais de 100km. Me achei o cara!! E efetivamente qualquer pessoa que pedala 100 km ou mais é o cara!! Nós é que nos acostumamos muito facilmente com esses números.

Um tempo atrás fiz uma postagem sobre a prova de 200km, onde tento passar um pouco dessa sensação.

Não tenho a pretenção de explicar porque ocorre as pessoas pedalam um 200 e desistem do Audax, mas desconfio que isso ocorra por algumas razões fáceis de entender:

- Quem se propõe a pedalar essa distância, normalmente já é meio "fora da casinha" e muitas vezes já pratica outros esportes. Conheço gente aqui em Lajeado que faz corrida de aventura, canoagem, paraquedismo,... que pedalaram um Audax e pararam porque é uma atividade que toma muuuuito tempo. Qualquer "treininho" de 150 km toma, para quem é pica-pau como eu, quase o dia inteiro. Enquanto outras atividades, como treinar para uma maratona, não toma mais do que 3 horas num fim de semana.

- Mudança de emprego, mulher, cidade,... Desde julho de 2007, quando completei o meu segundo 600, só pedalei algumas provas de 200 e apenas 1 de 300. O problema, é que desde lá a minha filha nasceu, comecei a trabalhar a quase 40 km de casa,... Ou seja, isso que aconteceu para mim pode ter acontecido para muita gente.

- Objetivo cumprido. O cidadão, ou cidadã, se propõe a fazer um Audax, vai lá faz e pronto. Volta para as suas pedaladas em grupo durante a semana e arrisca de vez em quando uma pedalada mais longa. Tem gente que acha que está de bom tamanho fazer uma vez e pronto, simples assim.

Certamente existem outras razões para isso, mas daí teria que escrever um livro.