segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A ACP e o Brasil - parte VI

Como visto nos "capítulos anteriores" a relação entre a ACP, através de seus representantes no Brasil, com o RS foi sempre pautada por algum tipo de problema.

2009 começou com algumas das provas de 2008 já homologadas e outras, como Lajeado, ainda não. Mesmo nas provas homologadas as coisas não estavam bem, pois os selos não haviam sido entregues e muitos dos organizadores (ou seriam todos?) sequer haviam pago as taxas correspondentes as homologações.

Alguns organizadores do RS, dessa vez eu fiquei de fora, começaram a fazer cobranças mais contundentes em relação a tudo que estava ocorrendo e parece que as coisas começaram a acontecer. Algums provas de 2009 já foram homologadas, inclusive LAJEADO, e, segundo o Faccin todas as providências estão sendo tomadas para que as outras também sejam.

A situação para mim como um dos organizadores da prova de Lajeado era muito estranha, pois vejamos:
2008 não homologada apesar da solicitação ter sido encaminhada no prazo
2009 homologada e não-paga!!!
Eu já estava de posse dos selos e não havia pago por isso! Cerca de 30 dias depois de recebidos os selos é que me dei conta disso e fui fazer o depósito correspondente a essa prova (R$ 160,00).

A boa nova é que para 2010 as coisas estão tomando um novo formato, pois o Faccin está assumindo a função de representante da ACP para o Brasil. Acredito que além do óbvio, que é a homologação das provas, mais mudanças acontecerão, pois conhecendo-o bem ele não tolerará algumas coisas que vem acontecendo por aí.

Que assim seja.

3 comentários:

6 de out de 2009 05:11:00
Daniel disse...

YUP - YUP
após 5 anós de audax, ou melhor, randonée no "Bresil" esta amadurecendo o nosso esporte por aqui.
Não que não tenha sido válida as pedalas, as noites em claro, os apoios nos pcs e fora deles, mas vejo que agora existem outros objetivos, como Randonneur 5000 que o Faccin teve a graça de trazer ao nosso conhecimento, graças a dedicação dele de estudar francês para traduzir os regulamentos do ACP

Nossos ciclistas terão reconhecimento internacional, iremos configurar entre os países onde se pedala randonée, e isso graça a muitas pessoas, mas em especial ao Lucca que trouxe aqui para o RS esta modalidade tão maravilhosa que caiu na graça tanto dos gaúchos quanto dos brasileiros.

Tem algumas pessoas que não poderiam deixar de ser citadas por fazer do randonée um sucesso, e estas pessoas são:
Guazelli, Faccin, Kieling, Ninki, Cicero, o pessoal de Ijui, Pelotas, Udo (nosso fazedor oficial de mapas, impressão das placas),(desculpa, mas posso estar esquecendo pessoas)

Enfim, existem muitas pessoas que fazem o randonée no Brasil ser um sucesso, tanto organizadores quanto ciclistas, pois de nada adiantaria organizar um brevet se não existissem ciclistas.

Uma coisa é super importante é ninguém tira de nós:
a amizade que criamos com grandes amigos.

Um forte abraço e espero estar em forma para estar em Lajeado em 2010 (com chão batido por favor)

Daniel Serafim

6 de out de 2009 07:51:00
Kieling disse...

Tão, ou mais importante, do que termos Randounneurs 5000, brevetados no PBP é mantermos o espírito não-competitivo das nossas provas.

Mesmo durante o Brevet Farrapos, prova de 1000km, o espírito de camaradagem e coleguismo era evidente entre todos os participantes.

Quando um dia for contada a história do ciclismo de longa distância no Brasil, não poderá ser esquecida a fundamental colaboração de voluntários como tu que tornaram essa história possível.

Acredito eu que com o Faccin assumindo a representação do ACP para o Brasil estamos entrando numa nova fase do Randounee no Brasil.

Faz uns 2 anos que não vens a Lajeado, vê se em 2010 tu não rói a corda de novo.

Abraços
Kieling

7 de out de 2009 22:26:00
Luiz M. Faccin disse...

Valeu Serafim
Ta na hora de voltar a pedalar, ou a trabalhar nos pcs dos "audaxes"

Abraços e até o ENART

Postar um comentário