segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A ACP e o Brasil - parte V

Em 2008 organizamos o terceiro Audax 200 aqui em Lajeado, com a experiência adquirida começamos a errar menos e organizamos uma prova que tinha apenas um objetivo: Cumprir com tudo o que foi prometido e se possível acrescentar algo que pudesse surpreender quem veio nos prestigiar.

A prova foi quase que perfeita, principalmente se levarmos em conta que no sábado à noite todas as previsões de tempo prometiam pelo menos 30mm de chuva e eu acometido de uma estranha alergia fiquei da meia-noite as 4 da manhã do domingo no ambulatório do hospital!! Mas o domingo amanheceu nublado e o sol apareceu durante à tarde tornando aquela prova um evento marcante para todos os envolvidos.

Todo o brilho dessa festa foi prejudicado uns meses depois quando não conseguimos homologar a prova. Na época partipava de um grupo de discussões com todos os organizadores de Audax do Brasil e tive o cuidado de mandar cópia do email para lá quando solicitei a devida homologação. Por mais insignificante que isso possa parecer para alguém o selo de homologação colado no passaporte é motivo de orgulho para muita gente. Tenho um amigo que tem o seu primeiro passaporte devidamente enquadrado e exposto na parede principal da sala de seu apartamento.

Quem nunca pedalou uma prova dessas pode pensar que o ciclista que participa de um Audax é um super-atleta que tem tempo, equipamento e condições de treinar adequadamente. Muitos de nós temos família, filhos, mulheres / maridos, chefes, carnês da Casa Bahia, salário de empregada para pagar, ..., ou seja, tem gente que tem como um projeto de vida terminar uma prova dessas e por algum motivo que lhe foge a compreensão a tal da homologação não acontece e ele fica sem o passaporte como prova de sua façanha.

Foi uma grande frustração pessoal não ter homologado a prova em 2008, mas os meus colegas organizadores do RS, apesar de terem suas provas devidamente homologadas só receberam os tão falados selos uns poucos meses atrás. O Faccin que estava buscando o título de Randonneur 5000 quase perdeu essa honraria pela não-homologação de nossa prova.

O que mais me incomoda nesse processo é que as pessoas por trás de tudo isso são pessoas de boa índole, mas que infelizmente não conseguiram levar a bom têrmo as homologações de 2008.

O resultado final é que depois de termos homologado as nossas 2 primeiras edições da prova, em 2008 acabamos caindo na vala comum do organizador que por alguma razão não cumpre com suas obrigações.

Durante a semana publicarei o último capítulo desse dramalhão mexicano.

2 comentários:

28 de set de 2009 16:57:00
ninki disse...

Kieling,

Apesar de eu apenas co-organizadora em 2008, eu mesma enviei TODOS os nossos arquivos para homologar. Paguei os valores devidos, como foi me foi solocitado... mas até o momento NÃO RECEBI a remessa de selos e nem um retorno do sr. Costa.
Estar nesta "vala comun" é realmente um absurdo!!

parabéns pelos textos, abraços ninki

28 de set de 2009 19:48:00
Luiz M. Faccin disse...

Oi Kieling

Gostei dos textos e gostaria de poder escrever mais. Vou fazer isto ainda. Sobre as homologações de Lajeado 2008- este brevet será homologado.

Abraços

Postar um comentário