segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Férias!!

O blog está entrando em recesso até 2010.

As minhas (merecidas) férias começam no próximo fim de semana e vão ser divididas entre a bicicleta e a família.

Obrigado a todos que passaram por aqui nesse ano e que 2010 seja um ano de muitas pedaladas.

Até lá!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Homologações 2008

Num esforço do Faccin, representante do ACP para o Brasil, a prova de Lajeado de 2008(!) foi homologada como informado em uma postagem anterior. Na 6ª feira passada recebi os selos de homologação.

Já havíamos perdido as esperanças de ter a prova homologada, pois apesar de termos seguido todos os trâmites burocráticos e legais ficamos esperando, esperando, esperando... e nada. Mas com a troca de comando aqui no Brasil as coisas felizmente entraram nos eixos.

Temos agora todos os passaportes e selos de 2008 e 2009 e durante o Audax Randonnée de 2010 pretendemos distribuí-los a quem os conquistou pedalando pelas beiras do Rio Taquari.

Nos próxmos dias os participantes estarão recebendo um email onde informaremos desse procedimento e no caso de alguém não poder vir a Lajeado, estaremos enviando pelo Correio, desde que tenhamos o endereço confirmado pelo participante.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Desafio 130 km - Novas caras

Dei uma olhada na relação dos ciclistas que completaram a prova no último domingo e constatei que 48% deles participaram de sua primeira prova de longa distância aqui no RS, ou seja, para o ano que vem teremos quase 70 novos candidatos a um brevet! Ao lado desse novatos tivemos ciclistas com mais de 40 participações em brevês aqui no RS, é a velha guarda, nem tão velha assim :-), mesclada a quem está descobrindo o ciclismo de longa distância.

O tempo médio da prova foi de 6 horas e 27 minutos e tivemos 14 mulheres na prova, ou seja, mantivemos a média de 10% de presença feminina nesses eventos. O que me chamou a atenção foi uma mulher de Monareta que estava fechando a prova, não sei se ela completou, pois não pude ficar até o fim da premiação, mas a força de vontade dela me chamou a atenção.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Seguem abaixo os horários de chegada ao PC e DC. Agrupei os tempos de chegada a cada 15 minutos, exemplificando: entre 9:00 e 9:15, 12 ciclistas chegaram no único PC da prova. O último ciclista a chegar no PC fez isso às 11:10, exatamente 13 minutos antes do primeiro ciclista completar a prova!! Ou seja, se numa prova relativamente curta como essa é necessário ter 2 equipes só para tomar conta dos PC´s, imaginem essa estrutura para uma prova de 600 ou 1000km! Em alguns casos 3 ou 4 PC´s tem que estar abertos simultaneamente.

Vários ciclistas fizeram tempos muito bons, principalmente se levarmos em conta que o Desafio tem como principal preocupação inserir novos atletas no ciclismo de longa distância.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Desafio - primeiras fotos

As primeiras fotos a que tive acesso foram tiradas pelo Daniel Serafim, o Daniel é daqueles caras que não pedalam nada mas estão sempre fazendo barulho nas nossas provas. :-) Depois de ter pedalado algumas provas em 2005 e 2006 ele deu um tempo, mas está prometendo voltar em 2010.

Ele tirou fotos apenas da chegada, acredito que hoje ou amanhã novas fotos serão disponibilizadas.

Abaixo a Laranja Mecânica, bicicleta do meu conterrâneo Paulo Bagatini, que pela última pesagem estava com uns 32 kg!! Reza a lenda que a bicicleta só se mantêm de pé por conta das "centenas" de selos de provas de Audax, se eles forem retirados ela se desintegra.

Reparem nos paralamas. :-)

Dêem uma passada de vez em quando no blog da Sociedade Audax, é por lá que as fotos devem aparecer.

domingo, 29 de novembro de 2009

Desafio 130 km - primeiras impressões

A prova ainda não acabou e eu já estou aqui dando palpites.:-)

Pedalei os 130km em pouco menos de 7 horas! Para mim foi excelente diante dos poucos treinos e do calor senegalesco à partir do meio-dia! A reza braba do Helton não funcionou e o sol não deu tréguas até a chegada no DC. Tivemos algumas quedas que, até onde sei, não tiveram maiores consequências e que foram prontamente atendidas pela equipe de resgate e pela CONCEPA.

A prova foi muito bem organizada com um destaque especial aos voluntários, é legal ser atendido por gente de bom humor, que sabe das necessidades dos ciclistas por uma razão bem simples: Eles também pedalam!!

Para encerrar: Quero fazer um post mais longo sobre algumas coisas que vi na prova sob a ótica de quem organiza, mas já vou deixar o assunto no ar. Nenhum organizador, muito menos a Ninki, tem que ficar tomando mijada da PRF por conta de uma turma que insiste em andar em cima da pista! Eu estava no PC quando a PRF chamou a Ninki de lado e soltou o verbo!!! Todo ano é a mesma coisa e essa história só pode ter um dos 4 finais abaixo:
- O pessoal se conscientiza e respeita essa orientação da PRF.
- A PRF proibe todas as provas por conta disso.
- A Ninki e outros organizadores chegam a conclusão que não vale a pena se arriscar por conta desse pessoal.
- Uma hora dessas da m... das grandes e daí a coisa não tem mais volta.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Paralamas - (mais) um defensor fervoroso

Tem uma turma que pedala Audax que não bate bem!! :-) Um deles, o Helton, escreveu o comentário mais longo que esse blog já recebeu. Ele escreveu sobre a sua íntima relação com a sua bicicleta e seus paralamas!

Me dei a liberdade de copiar todo o comentário e colá-lo abaixo, vale a leitura. Para quem acha que o Helton não pedala nada sugiro a leitura do blog que eles escreveu numa viagem de quase 5000 km que fez no fim de 2006 - início de 2007.

A minha decepção em relação ao Helton é que a bicicleta dele não tem outro acessório imprescindível a um pica-pau dos tempos modernos: o pezinho! Mas deixa assim, ninguém é perfeito! ;-)


A bicicleta utilizada na viagem

Boa leitura

**************

Bah! Eu na condição de ser eu, não poderia deixar de fazer um longo comentário (e pelo jeito vou ser o primeiro).

Achei o post muito pertinente, mas achei que não foi suficientemente enfatizada a importância, relevância e pertinência dos paralamas. Portanto, sugiro mudar o último parágrafo para:

"Eu uso paralamas a uns (n) anos e recomendo a todos que não são viciados em estética, mas que se preocupam com desempenho, e buscam "aprimorar a experiência do usuário" sobre a bicicleta de forma radical (do tipo antes/depois), que instalem o quanto antes um bom paralama fixo com apara-barro e nunca mais o tirem da bicicleta - nem em dias de sol! Dessa forma, garantirão não só seu conforto e saúde, mas também multiplicarão a vida útil da sua bicicleta"

Agora, as razões de eu fazer uma afirmação tão "paralama-xiita" assim:

1 - Paralama não prejudica o desempenho, a não ser num belo dia de sol. Caso o tempo e o chão não estejam totalmente secos, a bicicleta e o ciclista rendem muito mais se a podridão lançada para cima pelas rodas não os atingirem;
2 - A lubrificação da corrente dura cinco vezes mais caso seja usado um paralama (experiência própira confirmada por anos de uso);
3 - Caso não haja pressa, é possível sair de casa imediatamente após a chuva para passear sem sujar a bike nem se sujar;
4 - Quanto mais se anda com uma bicicleta equipada com paralama NA CHUVA, mais limpa ela fica (e vice-versa);
5 - Todo mundo sabe que bastam uns poucos metros de chão molhado ou sujo para que a bike e o ciclista fiquem sujos. O que ninguém sabe é quando pode ser que apareça uma poça, uma rua com cano estourado, um esgoto... Por isso o ideal é usar o paralama sempre.
6 - Ao contrário do que parece, o paralama dianteiro é tão ou mais útil do que o traseiro, já que a água que a dianteira lança vai direto para os pés, para as coroas do pedivela, para o bico da caramanhola, e para a nossa cara - e nossos olhos, certamente.
7 - por falar em paralama dianteiro, eu posso também afirmar que a melhor coisa que já inventaram é o apara-barro, também conhecido como "saia". Apesar de parecer algo totalmente brega, eu quase chego a pensar que a principal função do paralama dianteiro é servir como ponto de apoio para o apara-barro, pois é este que impede que a corrente se infeste de lama ou poeira, bem como os pés (lavar bermuda e camiseta é barbada comparando a lavar tênis ou sapatilha...).

Ainda hoje fui à Azenha e consegui um tapete usado de automóvel, bem grosso, de graça. Fixei-o no paralama dianteiro, e espero que funcione bem no audax domingo (sim, eu quero que chova, não aguento mais de calor).

Agora, três últimas dicas para garantir uma experiência do usuário ótima:
1 - as hastes de fixação determinam completamente a firmeza do conjunto, portanto elas devem estar retas e ser firmes, especialmente nos pontos de fixação, evitanto que o paralama fique batendo na roda e/ou fazendo barulho;
2 - no caso de paralamas de lata (que são os que uso na tandem), é conveniente colocar forrações de borracha nos pontos onde ele encosta no quadro, evitanto aquele barulho horrível e típico de "barra-forte". Minha bike está totalmente vacinada, felizmente, e não faz barulho de lata mesmo possuindo paralamas de lata;
3 - o apara-barro dianteiro estará corretamente posicionado caso a beirada inferior dele arraste no chão com uma certa sobra. Tem que ficar escandalosamente comprido e de preferência largo, aí sim ele funciona que é uma beleza.

Nos vemos domingo! E que chova!

A chuva e os paralamas

A previsão do tempo para domingo deu uma melhorada nos últimos dias, mas quem for a Porto Alegre pedalar o Desafio ou a Santa Maria pedalar o Audax UAF pode se precaver um pouco e minimizar as consequências de um banho de chuva. :-(

Nessas horas eu admiro os nossos amigos randoneiros europeus que equipam suas speeds com paralamas, para pedalarem na chuva com um pouco mais de conforto. A água suja da estrada é levantada pelo pneu traseiro, bate nas costas e escorrega para dentro da bermuda onde é "filtrada" pelo forro, deixando ali dentro um pouco de terra! O volume de terra vai depender de quanto tempo chova, da sujeira dos acostamentos e da qualidade da camisa, pois grande parte dessa sujeira para por ali mesmo. Mas a terra que fica na bermuda por várias horas em constante fricção junto as coxas, virilhas e "partes íntimas" já fez várias vítimas nos últimos anos nas provas em que participei.

Eu uso paralamas a uns 5 anos e recomendo a todos que não tem preocupações estéticas ou de desempenho, mas buscam no ciclismo saúde, companheirismo e lazer com um mínimo de conforto.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Audax do Vale - faltam 5 meses!

Nesse exato instante faltam 5 meses para o Audax do Vale 2009! Os preparativos começaram com a inclusão da nossa prova no Calendário Oficial de Eventos do Município de Lajeado e seguem semana que vem com a primeira reunião de planejamento, que visa cumprir com antecedência algumas questões legais junto as autoridades que tem o poder de liberar o nosso evento.

Ano a ano a prova vem crescendo e isso nos traz alguns bons problemas! Todos os anos perdemos alguns voluntários que optam por pedalar a prova, contaminados que foram pelo o que viram no ano anterior. Mas sempre novas pessoas se unem a nós à beira da estrada ou nos PC´s para tentar fazer uma prova boa para quem organiza, mas principalmente para quem pedala!

As inscrições abrem no dia 25/02 e seguem abertas até o dia 11/04 ou até serem preenchidas todas as vagas.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Audax Randonnee X Desafio

O Audax Randonnee e os Desafios propostos por alguns organizadores, mas principalmente pela Sociedade Audax através da Ninki, tem propósitos semelhantes mas públicos diferentes. Foi com surpresa que ouvi dela que dentre os quase 150 inscritos menos de 10 participantes são de fora da região metropolitana!

Na minha opinião isso se dá pela "informalidade" do Desafio, pois na visão de muitos "ele não serve para nada", pois para pedalar cento e poucos quilômetros ninguém precisa ir tão longe como eu, o Bagatini e mais meia-dúzia se propuseram. Isso fica bem claro ao se analisar a origem dos ciclistas do último Audax Randonnee organizado em Porto Alegre, veio gente de vários estados brasileiros (RS, SC, PR, RJ, DF,...) e parece-me que até um hermano deu as caras por lá.

Enquanto que a prova de 200km tinha um apelo muito forte, já que era a primeira prova dessa distância para a temporada 2010, o Desafio é visto de uma maneira diferente pelos inscritos:
- é um passeio para quem tem experiência,
- uma tentativa de recomeço para quem não conseguiu manter o ritmo de outros tempos, e
- uma porta de entrada para quem nunca pensou em ir tão longe pedalando.

Apesar de ser uma prova que tem grande parte do público local o número de inscritos impressiona.

Antes da prova pretendo analisar com mais calma a lista de inscritos para verificar quantos nunca participaram de um Audax Randonnee. Se a teoria da Ninki, que diz que o Desafio é uma porta de entrada para o Audax, for verdadeira teremos em Porto Alegre no ano que vem provas de 200km com mais de 2 centenas de inscritos.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Vida de blogueiro

Tem dias que eu posto um assunto que considero super legal, entremeio os meus comentários "geniais" com tabelas com centenas de números e gráficos que parecem um eletrocardiograma de alguém infartando. Nesses dias fico preocupado, pois tanta "genialidade e informação" podem sobrecarregar os serviços do Blogger diante dos milhares de acessos e comentários que o assunto vai render. :-)

Daí eu acordo, caio na real e vou olhar as estatísticas e o blog não teve visitantes suficientes para encher uma kombi. :-(

Por falta de tempo e inspiração faz uns quantos dias que não posto nada, por isso me surpreendi quando vi que o número de visitantes está muito acima da média. Olhando as estatísticas verifiquei que o responsável por isso é o temporal de ontem em Porto Alegre!

Em 2008 uma prova da Sociedade Audax foi cancelada por causa de um temporal e isso foi anunciado aqui no Blog e eu me esqueci do assunto. Mas diante de tantas visitas fui no Google e fiz a pesquisa, cliquem aqui e vejam com os seus próprios olhos qual é o primeiro link apontado quando se digita "fotos do temporal em porto alegre"!!

Acho que vou começar a me preocupar menos com o conteúdo e mais com palavras-chave que aumentem o número de visitantes do blog. :-)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Coisas óbvias

Estou inscrito para o Desafio que a Ninki organiza no próximo dia 29! Eu NÃO deveria ter feito isso, pois 2009 é o ano que menos pedalei desde o longíquo 1995 quando me mudei para Lajeado. Mas lá vou eu de novo, sem o preparo ideal para uma prova desse porte!

Nessas horas, onde a condição física não ajuda, qualquer detalhe é importante, por isso coisas óbvias devem ser observadas, sob o risco de se ficar pelo caminho por uma bobagem qualquer.

Tem coisas que eu NUNCA mais deixo para a última hora, pois a minha experiência de 6 anos de Audax ensinaram que tem coisas que podem ser feitas com um pouco de antecedência:

- Calibrar os pneus. Já pedalei 250 km durante um 300 com 18 libras no pneu traseiro. Não adianta achar que vai ter um posto de combustível na entrada do DC ou que algum ciclista vai ter uma bomba melhor que a sua para dar a última calibrada. Eu encho o pneu na 5a. ou 6a. feira sabendo que tenho de enchê-lo novamente, mas se eu não puder fazer isso,ou esquecer, ele não vai estar muito vazio na hora da prova.

- Encher as caramanholas. Já vi gente indo até o primeiro PC pedindo "água emprestada" para os parceiros de prova ou saindo depois de todo mundo porque teve de ir "ligeirinho" ao banheiro(!) completar a caramanhola. Eu as encho na 6a. feira e se me lembrar (tô ficando esquecido) substituo essa água na domingo pela manhã, essa água "dormida" sempre vai ser melhor que a água do banheiro.

- Reservar hotel: Não sei o tamanho do hotel de Poa, mas aqui em Lajeado o hotel que fica ao lado da largada lota uma semana antes da prova. O outro hotel com que temos convênio fica a uns 2km do Shopping. Já aconteceu de ciclista me ligar às 5:45, 15 minutos antes da largada, perguntando onde ficava o Shopping porque ele tinha "conseguido" se perder do hotel até ali. O hotel "oficial" é sempre o melhor, pois lá estão as figuras que pedalam a anos e podem passar um pouco de sua experiência para quem está começando.

- Comprar comida com antecedência. Sempre leve alguma coisa para comer entre os PC´s porque esse papo de comprar algo no PC é meio relativo, principalmente para os novatos que estão ainda meio desambientados e podem simplesmente se esquecer de fazer isso.

Alguma novidade? Nenhuma! Mas quem estiver na largada dessa prova observe a correria de última hora, sempre tem alguém enrolado com um dos itens acima.

O que é Audax-RJ

O argumento de pesquisa acima foi utilizado hoje pela manhã no Google que listou dentre as suas opções um link aqui no nosso blog.

Tomara que seja alguém da Ouvidoria do RJ procurando se inteirar do que é o Audax.

Já sei de 3 gaúchos que enviaram email para lá solicitando que a prova seja liberada, além de mim, teve o Marcos de Ijuí e o Fábio Lazzarotto de Porto Alegre.

Tomara que a prova saia e quem sabe se a patroa, o chefe e a minha filha liberarem eu vá até a cidade maravilhosa, já que a minha última passagem por lá foi a mais de 30 anos.

Quem tiver um tempo mande um email para lá pedindo a liberação da prova. O endreço está no post abaixo.

sábado, 14 de novembro de 2009

Na idade da pedra lascada

O Eduardo que organizou as provas de 2008 e 2009 no RJ lançou um apelo para que a prefeitura da "cidade maravilhosa" autorize o Audax 200 do dia 17 de janeiro. Lá no fim do texto tem o email da ouvidoria da cidade, leiam o texto e percam 5 minutos desse fim de semana chuvoso no RS para cutucar a prefeitura do RJ.

Após mandarem o email para a prefeitura do RJ mandem uma cópia do email para o Edu:
edubenhar@gmail.com

******

Olá amigos e amigas,

Em 2008 e 2009 eu fui um dos organizadores do Audax Rio, uma fantástica categoria esportiva, não competitiva, a mais tradicional prova ciclística do mundo com mais de 100 anos. No Rio fizemos o primeiro Audax urbano do Brasil em 2008 e o repetimos em 2009. Foram 200 km pelo centro e zonas norte, sul e oeste, que mesclaram as grandes avenidas do centro, o Maracanã, a Floresta da Tijuca e toda a orla carioca. A cidade maravilhosa é o palco ideal para esse grande encontro de ciclistas entusiastas das longas distâncias. Mas como não sou especialista em promover eventos assim, as provas de 2008 e 2009 foram muito simples, sem patrocinadores.

Em 2010 o Audax Rio tem 3 provas marcadas no calendário oficial: 200 km em 17/1 e 14/3, 300 km em 12/6. O Audax Rio já tem um novo organizador que, mais experiente e dedicado, poderá aperfeiçoar os eventos. No entanto, ainda está pendente a autorização da prefeitura para a prova de 17/01, por isso escrevo a todos pedindo que invistam alguns minutos de seu tempo para escrever à prefeitura solicitando que autorize e apóie o Audax Urbano da Cidade Maravilhosa. Uma iniciativa dessas tem tudo a ver com Rio 2016 e com o projeto 'Rio, o estado da Bicicleta'.

Acho que não são poucos os que gostam do esporte cooperativo e do ciclismo de longa distância, por isso acredito que se cada um mandar uma mensagem à prefeitura faremos uma pressão social legítima a favor de um evento que só acrescenta coisas boas a esta cidade olímpica.

Enviem suas mensagens pedindo que a prefeitura autorize o Audax 200 de
17 de janeiro para a Secretaria Municipal de Esportes:
ouvidoriasmel@pcrj.rj.gov.br

Agradeço a todos e peço que enviem cópia de suas mensagens para meu e-mail, assim posso registrar a mobilização de todos.

Para saber mais sobre o Audax Rio visite o nosso blog.

Qualquer dúvida me escreva.

Forte abraço,

Eduardo Bernhardt

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Medalha de Super Randonneur

Já relatei aqui em postagens passadas as brigas homéricas acontecidas em anos passados entre os "revoltados" do sul e o pessoal que organizava as provas no Brasil.

Dentre os ditados populares sobre "guerras" tem 2 que me chamam a atenção:
- Na guerra a primeira vítima é a verdade;
- Na guerra existem, no mínimo, 3 pontos de vista. O meu, o seu e a verdade, que nem sempre é um ponto equidistante entre as 2 partes.

Hoje me sinto um pouco vítima dessa guerra, apesar de ter sido um dos principais articulistas, pois nos dois anos que fiz a série completa (600km) não adquiri a medalha de super randonneur. :-( E não adquiri essa medalha por algumas razões bem simples:
- Não sabia que custava tão pouco (uns R$ 37,00).
- A encomenda passava pelo pessoal que estávamos em constante litígio e
- Achei que num futuro próximo eu continuaria tendo tempo para pedalar naquele ritmo e fazer outra série.

Em 2005 recebemos o troféu Alexandre Luz, ciclista morto por atropelamento naquele ano durante uma prova de 400km em SP. Em 2006 recebemos apenas a medalha e o certificado.

Por isso vai aqui a minha sugestão para quem vai pretende pedalar até o 600 em 2010: Reserve uns reais para a compra dessa medalha, pois se num primeiro momento ela aparentemente não acrescenta muito, mas num futuro próximo pode ser uma bela recordação para mostar para os filhos, netos,....

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Graças ao trabalho do nosso voluntário Eldo Dullius, conseguimos que o Audax do Vale 2010 mais uma vez faça parte do calendário oficial de eventos de Lajeado.

À distância isso pode parecer insignificante, mas a chancela do município para o nosso evento abre muitas portas. É muito mais fácil contatar orgãos como PRE, PRF, prefeituras de outras cidades, Brigada Militar, UNIVIAS, ... tendo como parceiro do nosso evento a prefeitura da maior cidade do Vale do Taquari.

De prático a prefeitura nos fornece as barracas que ficam junto da chegada, alguns cones de sinalização e outros materiais de apoio. Em anos passados pedíamos também o palco e a sonorização do evento, mas com o passar do tempo vimos que o palco não tinha uma função importante na chegada e a sonorização era barata demais para não caber no nosso orçamento.

Por isso a função principal de pleitarmos a participação no calendário de Eventos do Município tem um caráter muito mais institucional do que financeiro.

E aqui entre nós, se uma prova como a nossa que ano passado teve mais de 150 participantes não conseguir pagar as suas contas ela nem tem o direito de acontecer.

O Audax do Vale movimenta pelo menos 250 pessoas entre atletas, familiares, voluntários e apoiadores. Cerca de 100 pessoas se hospedam nos hotéis conveniados com a nossa prova e quase todos jantam, ou ao menos lancham no Unicshopping nos 2 dias do evento.

Como premissa básica, preferimos ser "credores" do município movimentando pelo menos uns R$ 20.000,00 nesse fim de semana do que ficar "pendurados nas tetas do erário público". Para isso tem gente que é profissional.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Audax 2010 - Analisando o calendário

O Rio Grande do Sul baterá em 2010 o seu próprio recorde de provas de Audax Randonnee serão 19 provas ao longo do ano! Até hoje os anos de 2008 com 13 provas e 2009 com 14 foram os anos com mais eventos realizados.

Teremos, nada mais, nada menos do que 8 provas de 200km durante o ano, pena que 4 delas serão em março e 2 em abril. Ou seja, continuamos com a má distribuição de provas.

Sob a ótica do organizador tantas provas em tão pouco tempo acarretam uma "concorrência" entre elas, causando com isso um menor número de atletas. Sob a ótica do ciclista isso também não é bom, pois além do aspecto financeiro, tem o problema da logística (família, treinos, serviço,...) que invializam a participação em todos os eventos que ele poderia ir.

É claro que organizar provas em meses como janeiro, fevereiro, junho(?), julho e agosto é "dar um tiro no pé", pois nesses meses o calor ou o frio acabariam por afastar muitos ciclistas e os que se arriscassem a participar poderiam ter que ser resgatados.

Mas é incompreensível que meses como maio e setembro não tenha nenhum evento de 200km. A única explicação para isso é o hábito, ou melhor o mau hábito, de organizar provas apenas no início da temporada.

Menos mal que sempre aparece alguém corajoso o suficiente, como o Valim em Santa Cruz, que quebrou esse ciclo e já em 2007 organizou uma prova no mês de novembro com um bom número de participantes. Em 2010, além do Valim teremos a Ninki organizando uma prova de 200km no segundo semestre.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Calendário 2010

Foi confirmado o calendário 2010 para as provas de Audax Randonnee.

Abaixo um rápido resumo da distribuição dessas provas por estado e mês de realização.

À noite, com mais tempo, faço uma análise mais detalhada.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Homologações 2009

Esse blog tem números espalhados por quase todas as postagens, mas de vez em quando eu me passo :-(

Me esqueci de publicar os números das homologações da prova de 2009, esses números são importantes para quem busca a medalha de Super Randonneur, que é destinada a quem fez a série completa num mesmo ano (até o Audax 600).

Por isso quem precisa saber do número de sua homologação pode clicar na medalha abaixo que terá acesso a lista providenciada pelo Faccin junto a ACP.

Essa é a medalha que os ciclistas têm direito de pleitear, desde que paguem por ela :-)


A imagem dessa medalha foi copiada do blog do Audax Santa Cruz do Sul, mas não achei em nenhum local a confirmação se essa é a medalha de 2009.
O gráfico abaixo mostra a distribuição dos ciclistas por número de participações em provas de Audax no RS. Como escrito numa postagem anterior mais da metade (53%) dos ciclistas que já pedalaram provas aqui no RS pedalaram apenas uma prova!! Se somarmos a esse percentual os que pedalaram 2 provas temos 72%!

Esses números contradizem muito do que se fala na nossa turminha :-) onde é voz corrente que o ciclismo de longa distância aproxima as pessoas, pois mostra o lado lúdico da vida ao trocarmos possantes veículos propelidos a combustível fóssil de características poluidores que blá, blá, blá.... por bicicletas que integram o ser humano a natureza que o cerca, onde blá, blá, blá,....

Pode parecer que o pessoal "amarela" depois do 200, mas eu me lembro da primeira vez que pedalei mais de 100km. Me achei o cara!! E efetivamente qualquer pessoa que pedala 100 km ou mais é o cara!! Nós é que nos acostumamos muito facilmente com esses números.

Um tempo atrás fiz uma postagem sobre a prova de 200km, onde tento passar um pouco dessa sensação.

Não tenho a pretenção de explicar porque ocorre as pessoas pedalam um 200 e desistem do Audax, mas desconfio que isso ocorra por algumas razões fáceis de entender:

- Quem se propõe a pedalar essa distância, normalmente já é meio "fora da casinha" e muitas vezes já pratica outros esportes. Conheço gente aqui em Lajeado que faz corrida de aventura, canoagem, paraquedismo,... que pedalaram um Audax e pararam porque é uma atividade que toma muuuuito tempo. Qualquer "treininho" de 150 km toma, para quem é pica-pau como eu, quase o dia inteiro. Enquanto outras atividades, como treinar para uma maratona, não toma mais do que 3 horas num fim de semana.

- Mudança de emprego, mulher, cidade,... Desde julho de 2007, quando completei o meu segundo 600, só pedalei algumas provas de 200 e apenas 1 de 300. O problema, é que desde lá a minha filha nasceu, comecei a trabalhar a quase 40 km de casa,... Ou seja, isso que aconteceu para mim pode ter acontecido para muita gente.

- Objetivo cumprido. O cidadão, ou cidadã, se propõe a fazer um Audax, vai lá faz e pronto. Volta para as suas pedaladas em grupo durante a semana e arrisca de vez em quando uma pedalada mais longa. Tem gente que acha que está de bom tamanho fazer uma vez e pronto, simples assim.

Certamente existem outras razões para isso, mas daí teria que escrever um livro.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Audax RS 6 anos - Onde e como se pedala

O Faccin não vai concordar com o título do gráfico abaixo, mas fica difícil dizer toda vez que no meio desses números tem provas que foram homologadas e outras que não. Como não me lembro de alguma prova que não tenha sido homologada por má-fé, prefiro chamar todo o ciclista que conclui uma prova de brevetado, apesar de saber que em algumas situações isso não é verdade.

No gráfico abaixo totalizei o número de ciclistas por cidade onde pedalaram suas provas e distribuídos por distância. Fica fácil de ver que 2/3 dos 1684 brevês de Porto Alegre foram para provas de 200km.

O "verdinho" no gráfico de Lajeado é do 400 que organizamos junto com Santa Cruz do Sul em 2007.


O gráfico abaixo mostra a distribuição de brevês por distância, ou seja, mais de 70% dos brevês foram para provas de 200km.


Num post mais a frente pretendoo mostrar que a maioria dos ciclistas pedala uma prova de 200km, ou no máximo 2 e abandona a modalidade. Tanto isso é verdade que mais de metade dos ciclistas que já pedalou Audax pedalou apenas 1 prova.

Só o último parágrafo rende umas 3 postagens. :-)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Continuamos invictos!!

Finalmente conseguimos a homologação da prova de 2008! Se aquela prova fosse um jogo de futebol, poderíamos dizer que conseguimos empatar com um gol de mão do juíz aos 53 minutos do segundo tempo. :-)

Só poderemos nos considerar vitoriosos quando as homologações das provas ocorrerem nos prazos previstos no regulamento e sem que seja necessária uma revolução como a que ocorreu em 2009, quando houve a troca do responsável por essa atividade aqui no Brasil. Pelo bem do esporte, as coisas tem que seguir o caminho previsto no regulamento.

Com isso homologamos pela quinta vez em 4 anos o Audax do Vale! Os 292 ciclistas que já cruzaram a linha de chegada 468 vezes e pedalaram 102.200km pelo Vale do Rio Taquari agradecem!!

Os selos devem levar ainda algum tempo para chegar. Por enquanto vai o nosso agradecimento para o Faccin (ele não é tão ruim quanto parece :-) ) por ter chutado o balde e colocado ordem na casa.

Que depois da longa tempestade venha a bonança.

No fundo, no fundo eu entendo o Faccin! Já que na casa dele quem manda é o Dona Maristela ele encontrou no Audax um lugar onde ele pode ser o chefe e as pessoas, apesar de falarem mal dele, (ainda) o respeitam!! :-)

Brincadeiras à parte, acho fundamental que a ordem seja reestabelecida, pois quem acompanha a história do Audax Randonne por essas terras "penduradas" no mapa do Brasil sabem das nossas dificuldades ao longo desses anos.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Audax RS 6 anos - Os sobreviventes

Os 18 ciclistas abaixo relacionados são os desocupados sobreviventes que terminam pedalam desde 2004 ao menos uma prova por ano. É muita falta do que fazer! :-)

Alguns possuem uma regularidade impressionante, indo até o fim de pedalando no mínimo 4 ou 5 provas por ano, outros, como eu, já dão claras demonstrações de estarem em fim de carreira. :-)

Dos ciclistas dessa lista apenas um ainda não pedalou em Lajeado e 7 deles nunca perderam uma prova nas barrancas do Rio Taquari.

domingo, 25 de outubro de 2009

Audax do Vale - faltam 6 meses

Ainda estamos longe da data de nossa prova, mas vamos começar a "fazer barulho" bem antes para ninguém deixar de se inscrever.

Ano passado abrimos 125 vagas, que viraram, 130, 140, 150 e acabamos com 155 inscritos para 130 medalhas!! Chegaram 129 e alguém roubou a que sobraria!

As inscrições para 2010 abrirão 2 meses antes da prova, ou seja, 25 de fevereiro e se encerrarão no 11 de abril ou quando o número de vagas na prova for preenchido. Ainda não determinamos quantos poderão se inscrever, mas certamente ficará entre 120 e 150.

Acreditamos que com esse número de inscritos poderemos atender bem a todos, pois temos vários gargalos que precisam ser respeitados. Esses gargalos vão desde o número de voluntários disponíveis, passando pela capacidade do auditório do Unicshopping e capacidade de atendimentos do postos de controle.

A cada 30 dias postaremos um aviso por aqui.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Audax Poa - 1.000 vezes 200

Quando o pessoal lançou lá em 2004, a idéia de termos em Porto Alegre uma prova de 200km de bicicleta disputada por amadores, nem o mais visionário deles imaginou que em pouco mais de 6 anos a linha de chegada seria cruzada por mais de 1.000 vezes!

No domingo passado às 20:40, para ser bem exato, esse fato aconteceu pela milésima centésima quadragésima primeira vez. São mais de 700 ciclistas de todas as idades que tiveram essa honra até hoje.

Esses números mostram que a modalidade tem passado, presente, mas principlamente futuro na capital dos gaúchos. Em todos o RS a linha de chegada foi cruzada em mais de 2.400 vezes por um ciclista numa prova de 200km.

São quase 500.000 km pedalados só em provas de 200km.

Ps.: Para quem ainda não sabe a prova de Poa faz parte do calendário de 2010.

Audax RS - Dados de 2009

Já iniciada a temporada de 2010 resolvi fazer um levantamento dos números de 2009 e compará-los com as informações que tenho desde 2004.

A primeira informação relevante levantada diz respeito a, para mim, surpreendente renovação dos quadros "audaxiosos" no estado. Quase 50% dos 371 ciclistas que pedalaram esse ano fizeram sua estréia em 2009,

O quadro abaixo mostra em que ano os ciclistas que pedalaram Audax em 2009 começaram a pedalar essa modalidade no estado.


22 ciclistas estão na estrada desde 2004, alguns deles pedalaram pelo menos uma prova por ano desde lá, outros não conseguiram se manter ativos por todo esse tempo.

Num post mais à frente pretendo listar esses desocupados ciclistas.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Audax Poa - Mais números

Um leitor desse blog questionou, de forma construtiva, as informações publicadas ontem sobre o fato da prova de Porto Alegre ter sido considerada difícil levando-se em conta apenas o tempo médio de prova, pois segundo ele, existem muitas outras variáveis que podem tornar uma prova mais ou menos rápida.

O leitor está coberto de razão, na prova de Lajeado tivemos um ciclista que num ano fez a prova em 7:30 e no ano seguinte 13:30! Nesse caso ele simplesmente resolveu andar bem lentamente para poder ajudar quem vinha mais atrás. Em outra situação, uma prova já difícil, o 300 de Caxias de 2005 tomou conotações dramáticas quando os ciclistas enfrentaram na segunda metade da prova um vento de "proa" que fez com que alguns ciclistas mais experientes desistissem e outros chegassem no limite das 20 horas. Esses 2 exemplos mostram que existem muitos outros fatores que podem determinar um ritmo médio de prova mais rápido ou mais lento.

Diante dessas subjetividades tentei focar um pouco mais as estatísticas da prova nos ciclistas que já haviam pedalado a prova de Poa. Dos 72 ciclistas que consegui identificar como "repetentes" nessa prova 49, ou seja 68%, fizeram o seu pior tempo.

A média dos tempos desses 72 ciclistas nas provas anteriores de Poa era 10:50, sendo que no domingo eles registraram o tempo médio de 11:19, ou seja, quase meia-hora a mais que a média deles próprios e apenas 6 minutos a menos que a média geral.

O leitor que fez o questionamento, faz parte dessa estatística, depois de ter feito 9:56 em 2008 e 8:55 em março desse ano, no domingo passado ele registrou o seu pior tempo para a prova de Poa, superior em mais de uma hora em relação ao seu tempo de pouco mais de 6 meses atrás.

Alguns insistem em dizer que a estatística é uma ciência exata, mas ela serve muitas vezes apenas para provar a tese do estatístico. :-) Quem tem mais de 40 anos deve se lembrar do ano de 1983, quando o Nordeste estava passando por uma grande seca e aqui no Sul tivemos a primeira cheia de grandes proporções que teve repercussão nacional. Sob o ponto de vista da estatística estava tudo bem, pois afinal de contas, a seca do Nordeste e as nossas cheias, na média, indicavam que o clima no Brasil estava muito bom.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

A mais lenta e a mais rápida

No post anterior mostrei que a prova de Porto Alegre foi a mais lenta de todas no RS se compararmos o tempo médio que os ciclistas levaram para cruzar a linha de chegada.

Abaixo tem um gráfico que mostra a distribuição acumulada dos ciclistas ao longo de faixas de tempo de hora em hora. Ou seja, cada coluna mostra quantos "porcento" dos ciclistas que concluiram a prova chegaram até aquela faixa de tempo.

Para exemplificar: Enquanto que no domingo passado apenas 30% dos ciclistas tinham chegado com até 11 horas, em Santa Cruz do Sul em 2006 72% dos ciclistas já tinham completado a prova!!

Eu completei SCS 2006 em 12:10. :-(

Audax Poa - Uma prova difícil

Em condições normais a prova de Porto Alegre é uma das mais fáceis (entenda-se rápidas) do RS, pois tem um percurso plano em grande parte de sua extensão.

Mas pelos relatos de alguns ciclistas que participaram desse evento no último domingo o vento contra na metade final da prova atrapalhou bastante a vida de quem estava voltando a Porto Alegre.

A tabela abaixo, com os tempos médios de todas as provas de 200 km já realizadas no RS, deixa claro que a prova foi realmente muito difícil. O tempo médio da prova de domingo foi simplesmente o pior de todos os já registrados até hoje!

Além do vento, "pica-paus" como o Bagatini, o Lazary, o Rubens e o Helton "campeões" em fecharem as provas acabaram puxando o tempo médio dessa prova mais para baixo ainda. :-)

Homologações de 2008

O Faccin está tentando homologar a prova de Lajeado de 2008. Isso mesmo 2008!

Na época, como relatado uns posts atrás, mandei o arquivo (com cópia do email para um grupo de organizadores de Audax) e fiquei esperando, esperando, esperando,... Até que cansei de esperar e avisei a todos que Lajeado não teve a prova homologada porque alguém no meio do caminho esqueceu, perdeu, sumiu com o arquivo e além disso, não pediu ele de novo. :-(

Confesso que o Faccin já havia pedido esse arquivo à cerca de um mês atrás e eu fiquei me enrolando, pois insconscientemente eu queria era esquecer esse fato que me incomodou bastante até pouco tempo atrás.

Mas enfim, às vésperas da divulgação do calendário para 2010, estamos nós aqui ainda enrolados lá em 2008. Menos mal que a coisa, por bem ou por mal, se resolverá dentro em breve.

Se tudo der certo quem vier pedalar em 2010 aqui em Lajeado receberá 3 passaportes. Os de 2008 e 2009 devidamente preenchidos e com o selo de homologação nele colado e o de 2010 para ser preenchido e carimbado durante a prova.

Vamos aguardar.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

O Brasil no rankink da ACP

A tabela abaixo mostra o ranking com todos os países que realizaram alguma prova de Audax Randonne desde 2003. O Brasil está na 13a. posição no acumulado, mas em 2007 fomos o 11o. e em 2008 o 8o. Nessa tabela a ACP adota um critério de pontuação muito simples: cada 100km pedalados vale 1 ponto, ou seja, todo ciclista que completar uma prova de 200km conta 2 pontos para o seu país e assim por diante.

A nível de curiosidade coloquei nessa tabela o RS, que se tivesse homologado todas as provas desde 2004 ocuparia no ranking acumulado o 15o. Lugar, em 2007 o 16o. e em 2008 o 11o.

Acredito que em 2009 o Brasil poderá ter um destaque ainda maior nesse ranking, pois se só o RS homologar todas as suas provas teremos quase 2.000 pontos!!

A diferença entre aparecer ou não no ranking na ACP não é simplesmente uma questão de estatística, na minha opinião é a diferença entre fazer a coisa certa ou não. Com o novo site que está sendo criado, que será o portal de entrada do Audax Randonee no Brasil, essas informações se tornarão disponíveis para quem quiser ver e tomara que à partir dali os participantes comecem a separar os organizadores sérios dos aventureiros que de vez em quando tentam a sorte por aqui.

A sugestão do post foi do "randoneiro audaxioso" Luiz Roberto Lazary e os dados foram coletados do site da ACP e do meu arquivo pessoal.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Audax Poa - Quase um recorde

A prova de domingo tem tudo para ser, no mínimo, o terceiro maior evento Randonne do RS de todos os tempos. Estatisticamente 90% dos mais de 200 inscritos devem cruzar a linha de chegada, com isso só perderia em número de brevetados para as provas realizadas em 2004 e 2006, também em Porto Alegre.

A mais de 3 anos o RS não via uma prova com tantos inscritos.



Boa sorte à Ninki, aos voluntários, apoiadores e ciclistas que estarão nessa grande confraternização.

Ano que vem quero estar aí!!

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Audax Poa - Os que estiveram lá em 2004

Na relação abaixo estão listados os ciclistas que estarão pedalando em Porto Alegre no próximo domingo e que estiveram presentes nesse mesmo local, no dia 13 de março de 2004 quando aconteceu a primeira prova de 200km no Rio Grande do Sul.

Alguns deles, os assinalados em amarelo, pedalaram pelo menos uma prova por ano desde lá, outros falharam um ou mais anos. Na última coluna tem o somatório de provas que cada um pedalou desde o início do Audax no RS.

Audax Poa - Perfil de quem vai

Baseado nas informações que a Ninki me passou fiz um levantamento do perfil de quem vai pedalar no domingo. Dei uma "limpada" no cadastro, retirando as datas de nascimento em branco e gerei a tabela e o gráfico abaixo.

Cada vez mais fica provado que Audax Randonne não é coisa de "gurizada", os participantes da prova de Poa tem idade média de mais de 37 anos. Longe ainda da média etária dos particpantes do PBP de 2007 que foi de 50 anos.


O que fica claro acima, é que a presença feminina continua muito abaixo do aceitável, são raras as provas onde elas são mais de 10% dos participantes.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Filosofia barata

Nas minhas andanças cada vez mais raras de bicicleta pelo RS afora, ou durante as provas de Audax, várias vezes me indagaram porque faço (fazemos) isso. Em algumas situações o interlocutor não tem a mínima idéia de porque deixamos o conforto de ir de carro para ir de bicicleta.

Certa vez, em São José dos Ausentes, vinha eu, bufando morro acima num calorento dia de dezembro de 2006, pedalando a minha bicicleta de 19kg e puxando um reboque de mais de 20kg quando um cidadão me parou e fez as 2 perguntas que todo ciclo-turista já ouviu::

1) De onde tu vem?
2) Para onde tu vai?

Depois das devidas respostas e dos previsíveis "hãããs?", o cidadão, do alto de sua perplexidade e incompreensão, me pergunta num tom meio constrangido: "É promessa?" :-)

Em outra ocasião, durante o Audax 300 de Caxias em 2004, depois de uma noite chuvosa onde tentávamos "juntar os cacos" e seguir na prova, um gaudério de cima do seu "pingo" fez as 2 perguntas clássicas. Depois das respostas o cidadão exclama a plenos pulmões:

"O prêmio deve ser muito bom, porque vocês estão se f...!"

Naquele momento, alguém com bastante presença de espírito, comentou que o primeiro prêmio era de 10 mil reais e todos que completassem ganhavam uma certa quantia em dinheiro!!

Se fôssemos contar a história toda ficaríamos a manhã inteira ali e correríamos o risco de depois de tudo tomar uns pranchassos de facão por tentar aplicar uma mentira no cidadão.

Sair da volta de casa, encarar o mundo de frente e sair da rotina é fundamental, pois como já escreveu o navegador brasileiro Almir Klink:

" Um homem precisa viajar por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver."

O Audax é um pouco disso, mesmo que por poucas horas, nós vemos a vida como ela é. Nos tornamos frágeis por opção, optamos por sair de nossas casas e nos aventurar muitas vezes por lugares desconhecidos.

O texto do Almir Klink foi retirado do perfil do Bughera do Orkut, aliás, esse cidadão é uma das pessoas que leva essa frase mais a sério. Quem tiver tempo dê uma lida na aventura dele de bicicleta até o Chile.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Audax Poa - Estreantes e Veteranos

Como não pedalo mais :-( e faltam mais de 6 meses para a prova de Lajeado, só me resta "furungar" nas provas dos outros.

Olhando a relação de inscritos da prova da Ninki e comparando-a com a base de dados que mantenho desde 2004 com os resultados das provas do RS, percebi que mais de 50% dos atletas inscritos nunca pedalaram um Audax 200.

Essa renovação é muito legal, pois faz com que se mescle o entusiasmo de quem está começando com a experiência de ciclistas que irão pedalar o seu 40o. Audax no RS, no caso, os meus amigos Luiz Roberto Lazary e Edimar "Graxa" da Silva.

Vou ver se consigo cruzar as informações dos inscritos dessa prova com os participantes dos desafios que a Ninki já organizou.

A tabela abaixo mostra quantas provas os atletas inscritos em Poa fizeram, por exemplo, com zero participações temos 80 inscritos, com 1 temos 13 e assim por diante.

Essa tabela tem como base a relação provisória listada no blog da Sociedade Audax no início da semana.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A Ninki publicou a relação parcial dos ciclistas inscritos para a prova de 200km a ser realizada no dia 18/10. Dos quase 150 inscritos apenas 29 já pedalaram em Lajeado, isso mostra que o público das 2 provas é bem diferente.

Aliás, essa é uma tendência dos últimos anos, a prova tende a ser cada vez mais regionalizada. Tirando os "tarados de plantão" que pedalam em qualquer lugar, o público-alvo das provas tende a ser local. Ano passado a prova de Lajeado já deu claras mostras disso, pois tivemos quase 50% dos inscritos da própria região.

Segue abaixo a relação dos ciclistas inscritos em Poa que nos deram a honra de sua presença em Lajeado, após o nome de cada um tem o ano de sua última presença por aqui.

Antonio Guilherme Nunes Ferreira(2008), Carlos Augusto Wolff(2007), Carlos Michaelsen Binz(2009), Carlos Polesello(2009), Carlos Raul dos Santos Calvete(2007), Carlos Vicente Schnorr(2009), Daniel Macedo Lorenzini(2008), Edimar da Silva(2009), Fabio Luiz Lazzarotto(2007), Gilmar Roberto Balzan(2009), Glademir Henrique Schmitz(2008), Humberto Giacomo Lotti(2009), Jair Melo Pinto(2006), Jeremias Tadeu Pilati(2009), Lucio Cantarelli Noal(2009), Luis Roberto Velho Lazary(2009), Marcelo Tietböhl Guazzelli(2009), Martin Rugard Wentz(2009), Paulo Carneiro Endres(2009), Paulo Roberto Bagatini(2009), Priscila Maria Favaro(2008), Rafael Pereira de Castro(2009), Raul Zoratto Sanvicente(2009), Ricardo Jose Fabricio(2007), Roberto de Oliveira Flores(2009), Roberto Penna Trevisan(2009), Rolf Harm Hinrichs(2009), Rubens Pinheiro Gandolfi(2009) e Thales Augusto Moreira(2009).

Boa sorte a eles, a Ninki e a todos os voluntários.

A propósito, as inscrições continuam abertas até o dia 10, quem quiser se inscrever é só dar uma passada no blog da Sociedade Audax.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A ACP e o Brasil - parte VI

Como visto nos "capítulos anteriores" a relação entre a ACP, através de seus representantes no Brasil, com o RS foi sempre pautada por algum tipo de problema.

2009 começou com algumas das provas de 2008 já homologadas e outras, como Lajeado, ainda não. Mesmo nas provas homologadas as coisas não estavam bem, pois os selos não haviam sido entregues e muitos dos organizadores (ou seriam todos?) sequer haviam pago as taxas correspondentes as homologações.

Alguns organizadores do RS, dessa vez eu fiquei de fora, começaram a fazer cobranças mais contundentes em relação a tudo que estava ocorrendo e parece que as coisas começaram a acontecer. Algums provas de 2009 já foram homologadas, inclusive LAJEADO, e, segundo o Faccin todas as providências estão sendo tomadas para que as outras também sejam.

A situação para mim como um dos organizadores da prova de Lajeado era muito estranha, pois vejamos:
2008 não homologada apesar da solicitação ter sido encaminhada no prazo
2009 homologada e não-paga!!!
Eu já estava de posse dos selos e não havia pago por isso! Cerca de 30 dias depois de recebidos os selos é que me dei conta disso e fui fazer o depósito correspondente a essa prova (R$ 160,00).

A boa nova é que para 2010 as coisas estão tomando um novo formato, pois o Faccin está assumindo a função de representante da ACP para o Brasil. Acredito que além do óbvio, que é a homologação das provas, mais mudanças acontecerão, pois conhecendo-o bem ele não tolerará algumas coisas que vem acontecendo por aí.

Que assim seja.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O ciclista inventor


Vocês podem estar pensando: O que essa reportagem tem a ver com o Audax de Lajeado?

TUDO. O Paulo, ou simplesmente Paulinho, é um dos brasileiros mais jovens a ter feito a série completa (até 600km) no Brasil. Em 2005, aos 15 anos, acompanhou a nossa turma por esse Rio Grande afora pedalando até completar a série.

Desde aquela época ele já era metido a inventor, as suas "gambiarras" com faróis de Led ficaram famosos naquele ano. Com o passar do tempo o Audax deixou de fazer parte do cotidiano dele, pois as atividades inerentes a sua idade fizeram com que tomasse outros rumos. Mesmo assim, de vez em quando ele arruma um tempo para dar uma pedalada.Na foto acima o Paulinho recebe o seu diploma e medalha na cerimônia de premiação logo após a prova de 600km.

Não sei se aquele ano de 2005 pedalando insanamente pelo RS fizeram diferença no que ele é hoje, eu prefiro acreditar que sim. :-)

***********

Reportagem publicada ontem(30/09/09) no jornal O Informativo do Vale de Lajeado, grande apoiador do Audax do Vale e maior jornal do Vale do Taquari, com mais de 30.000 leitores.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Endless Mountains - 1240km

Está sendo realizado nos Estados Unidos o Endless Mountain onde 2 brasileiros estão enfrentando esse grande desafio. Abaixo o mapa com a altimetria do percurso, reparem no grande número de escaladas que justificam o nome dessa prova.
O Trevisan e o Faccin estão fazendo a cobertura no blog de Santa Cruz, quem tiver o inglês bem afiado pode acompanhar o blog da prova.

Boa sorte ao Rogério Bernardes e ao Henrique Caldas.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A ACP e o Brasil - parte V

Em 2008 organizamos o terceiro Audax 200 aqui em Lajeado, com a experiência adquirida começamos a errar menos e organizamos uma prova que tinha apenas um objetivo: Cumprir com tudo o que foi prometido e se possível acrescentar algo que pudesse surpreender quem veio nos prestigiar.

A prova foi quase que perfeita, principalmente se levarmos em conta que no sábado à noite todas as previsões de tempo prometiam pelo menos 30mm de chuva e eu acometido de uma estranha alergia fiquei da meia-noite as 4 da manhã do domingo no ambulatório do hospital!! Mas o domingo amanheceu nublado e o sol apareceu durante à tarde tornando aquela prova um evento marcante para todos os envolvidos.

Todo o brilho dessa festa foi prejudicado uns meses depois quando não conseguimos homologar a prova. Na época partipava de um grupo de discussões com todos os organizadores de Audax do Brasil e tive o cuidado de mandar cópia do email para lá quando solicitei a devida homologação. Por mais insignificante que isso possa parecer para alguém o selo de homologação colado no passaporte é motivo de orgulho para muita gente. Tenho um amigo que tem o seu primeiro passaporte devidamente enquadrado e exposto na parede principal da sala de seu apartamento.

Quem nunca pedalou uma prova dessas pode pensar que o ciclista que participa de um Audax é um super-atleta que tem tempo, equipamento e condições de treinar adequadamente. Muitos de nós temos família, filhos, mulheres / maridos, chefes, carnês da Casa Bahia, salário de empregada para pagar, ..., ou seja, tem gente que tem como um projeto de vida terminar uma prova dessas e por algum motivo que lhe foge a compreensão a tal da homologação não acontece e ele fica sem o passaporte como prova de sua façanha.

Foi uma grande frustração pessoal não ter homologado a prova em 2008, mas os meus colegas organizadores do RS, apesar de terem suas provas devidamente homologadas só receberam os tão falados selos uns poucos meses atrás. O Faccin que estava buscando o título de Randonneur 5000 quase perdeu essa honraria pela não-homologação de nossa prova.

O que mais me incomoda nesse processo é que as pessoas por trás de tudo isso são pessoas de boa índole, mas que infelizmente não conseguiram levar a bom têrmo as homologações de 2008.

O resultado final é que depois de termos homologado as nossas 2 primeiras edições da prova, em 2008 acabamos caindo na vala comum do organizador que por alguma razão não cumpre com suas obrigações.

Durante a semana publicarei o último capítulo desse dramalhão mexicano.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A ACP e o Brasil - Parte IV

Com o meu mau-humor de volta vai aí mais um post sobre as nossas homologações.

Por todas as confusões de 2004, 2005 e 2006 o Audax em 2007 deu uma recuada no RS. Apenas 2 criaturas se propuseram a continuar a organizar provas no RS, eu e o Faccin. A boa notícia foi que o Luiz Carlos em Pelotas e o Mogens em Ijuí resolveram encarar a organização de um 200.

Mas o Audax é muito grande para caber dentro das provas de 200km, por isso eu e o gringo de SCS nos propusemos a ir um pouco adiante. SCS organizou o 300 e Lajeado o 400, já que o Faccin prometeu nos dar uma força.

Não me lembro se Ijuí homologou a sua prova, Pelotas sei que não cumpriu com essa obrigação. Acredito que isso não ocorreu apenas pela desinformação, pois até onde me lembro, (ôôô memória) pagamos menos de 2 reais (ou seria 1?) por cada ciclista que homologamos. Ou seja, só no quarto ano da existência do Audax no RS os valores pagos pelas homologações foram por nós considerados como justos e coerentes com o que a ACP prega.

Resumindo, depois de muito tempo conseguimos uma certa paz entre nós, "os revoltados do Sul", e os representantes da ACP para o Brasil e América do Sul, além disso, como a eleição (ou seria indicação?) para esse cargo seria feito durante o congresso realizado durante o PBP acreditávamos que à partir dali não teríamos mais problemas.

Em 2008 a paz voltou a reimar entre os "randoneiros" do Brasil, mas... sempre tem um mas...

Continua no fim de semana...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Audax Lajeado 2010 - Roteiro

Como vocês devem ter percebido estou meio mal-humorado nas últimas semanas :-), por isso quebrei a série de emails sobre os problemas que tivemos com as homologações de nossas provas desde 2004 para anunciar a data do Audax Lajeado para 2010. Apesar de não ter a confirmação que essa data será aceita anunciei-a como uma forma de me comprometer com a realização dessa prova, pois todo o ano é a mesma lenga-lenga, eu fico me enrolando até o último dia para confirmar a data e a prova sempre acaba saindo.

Me surpreendi ao ter recebido, via email, 2 manifestações de ciclistas sobre a prova que vai levar mais de 6 meses para acontecer. Um do ciclistas a se manifestar garantiu que em 2010 estará mais uma vez por aqui, já a outra manifestação sugere, depois de elogiar a beleza da região, que a estrada de terra seja retirada da prova. Sobre a conveniência de manter ou não a estrada de terra e argumentos de porquê ela está no nosso roteiro foram dadas ano passado na semana imediata a realização da prova.

O texto abaixo foi extraído de um email enviado ao nosso grupo de discussões na Internet.

***********

Como tem muitos conceitos filosóficos, culturais e pessoais envolvidos nessa questão vou escrever apenas sobre os aspectos práticos de uma mudança de percurso.

- Tentem achar um percurso que tenha de 200 a 205 km sem ter que inventar muito. Se tiver mais de 205km tratem de achar uma boa desculpa. :-))
- Tentem achar um percurso que tenha pontos de apoio distribuídos em locais estratégicos que consigam atender 150 pessoas em 30 minutos (PC1).
- Tentem achar um percurso que mantenha uma das características principais da prova que é quase não repetir os trechos pedalalados.
- Tentem achar algo mais do que simplesmente "estradas" para serem pedaladas. Na nossa prova cruzamos 4 vezes o rio que dá nome ao nosso vale, passamos por 13 cidades, incluindo a cidade que o Pedalajeado "adotou" para suas pedaladas. Na minha opinião, nós oferemos muito mais do que estradas, nós oferecemos uma visão privilegiada do Vale do Taquari para quem nunca veio aqui.

Muito bem suponhamos que os 4 elementos acima foram encontrados. Vamos então para os próximos passos.
- Entre em contato com esses novos pontos de apoio, conquiste a confiança deles, explique o que é Audax e convença-os a abrir as portas no domingo pela manhã.
- Pegue o carro num sábado à tarde, mapeie o trecho com GPS, faça a altimetria, convença o mala do Bagatini a fazer os vídeos no GE, peça ao Udo para refazer a carta de rota, mais uma vez ao mala do Bagatini para refazer a altimetria utilizando-se os dados do GPS.

Isso tudo foi feito ao longo desses últimos 4 anos. No fim de 2005, início de 2006, fiz sózinho o percurso 3 vezes de carro e 3 vezes de bicicleta em menos de 6 meses. Depois falei com o Ney que me acompanhou com o seu GPS para fazer o primeiro mapeamento da prova. Após o percurso definido tive a adesão fundamental do Fabiano e do Eldo que são os pilares na estrutura do Audax do Vale desde antes da primeira edição, muitos outros aderiram depois, mas para não esquecer ninguém não vou citá-los.

Sobre a (in)segurança de pedalar na estrada de terra:
- O acidente que poderia ter tidos maiores consequências na prova de domingo, aconteceu na BR386 quando um speedeiro caiu sobre a pista de rolamento após "atroplear um filhote de tartaruga". Eu prefiro que esse cara caia na estrada de terra a 15km/h do que na 386 uns 20 metros à frente de um caminhão.
- Porque não usarmos a rota do Sol. Pior do que trafegar na 386 ou em estrada de terra é descer o acesso da rota do Sol até Imigrante ou fazer isso no sentido inverso. Sem fazer força se atinge 70km/h!!!! Imaginem um bando de ciclistas se enrolando naquela descida!!!! Eu não quero dar essa notícia para ninguém.
- Porque não usamos a Via Láctea. Só conseguimos utilizar a 386 pois fazemos isso bem cedo pela manhã, ou seja o roteiro teria que levar mais isso em conta já que o acesso a essa estrada é por essa rodovia.
- É muito mais perigoso trafegar pela RS 130 no trecho entre Arroio do Meio e Lajeado no fim de tarde do que pela estrada de terra. Na terra é só ter o veículo adequado na velocidade adequada ao trecho ou adequar a velocidade a inadequação do veículo escolhido :-). Na estrada de terra só existe um elemento externo ao ciclista, que é a estrada, na 130 é a estrada, os motoristas, as rótulas, os bêbados, ....

Para encerrar:
Os aspectos práticos de uma mudança de percurso são, no máximo, responsáveis por apenas 10% da discussão. O resto é pura filosofia, é como cada um encara a sua vida e tudo que o cerca. E isso só pode ser resolvido ao redor de um barril de chope. :-)

Tenho certeza que os 2 últimos ciclistas a completarem a prova, no caso os meus amigos Jonas e Dotto, estão hoje tão ou mais felizes do que quaisquer outros. O Jonas, porque conseguiu terminar uma prova que achava perdida e ter tido o prazer de conhecer o Dotto, e o Dotto por ter conseguido ajudar mais uns quantos ciclistas a terminarem a prova. E os dois, mais do quaisquer outros, poderiam reclamar da estrada de terra.

O Dotto está se tornando uma lenda como o Bagatini já é, pois já tem gente comentando em listas de discussão que em Lajeado tem um cara completamente maluco que reboca, empurra, conserta pneus, correias e tudo mais que for necessário para fazer o pessoal completar a prova. Para quem não sabe o Dotto disputa provas da FGC e é detentor de um dos melhores tempos em Audax 200, nada mais, nada menos do que 6:36!!!! Ou seja, ele arrumou um (ou vários) motivos para deixar sua speed em casa e ir com uma outra bicicleta (que não identifiquei qual é) e posso assegurar que ele fez mais força do quem chegou na frente.

...

Acho que as explicações são convincentes.

Durante a semana o mau humor deve voltar e com ele os posts sobre as homologações.

Audax Lajeado 2010

A prova de Lajeado para a temporada de 2010 está confirmada para o dia 25/04!

Tradicionalmente a prova acontecia no primeiro fim de semana de abril, mas como naquele fim de semana teremos a Páscoa tivemos de adiar, mas daí o problema ficou maior ainda, pois a minha excelentíssima esposa está de aniversário no dia 11.

E como não sou louco, conversei com o Guazzelli de Caxias e fizemos um troca-troca (no bom sentido), ou seja, Audax da Serra no dia 10/04 e Audax do Vale dia 25/04.

Durante essa semana retomo o relato da minha versão dos fatos sobre a ACP, gaúchos, homologações, representantes,...

sábado, 19 de setembro de 2009

A ACP e o Brasil - Parte III

Em 2006 a configuração das provas mudou um pouco no RS. Caxias não organizou nenhum evento, mas em contrapartida nós aqui de Lajeado topamos o desafio de organizar um 200.

Lajeado teve seu 200 vinculado a Sociedade Audax, pois o Pedalajeado ainda não existia formalmente. Não me recordo se SCS já utilizou o código ACP do Santa Ciclismo ou se isso só aconteceu em 2007.

Os valores que nos propuseram pelas homologações, R$ 4,50 por ciclista por prova, apesar de ainda estarem fora da realidade, se aproximavam mais da nossa real capacidade de pagamento. Sob essas condições, SCS e Lajeado homologaram suas provas, Porto Alegre, mais uma vez, não homologou seus eventos. Sob qualquer ponto de vista, Lajeado e SCS, cada uma organizando um 200km, eram meros satélites do que acontecia em Poa, que organizou 9 provas, por isso as homologações dessas provas não tiveram um impacto muito grande nas estatísticas da ACP sobre o Brasil.

Como exposto acima, Lajeado organizou o seu primeiro 200 em 2006 e a impressão que tive foi que as cobranças à cerca de tudo que envolvia a prova vieram só do Faccin e do Lucca, pois os únicos contatos que tive com o representante da ACP no Brasil foi solicitar a autorização para a prova, isso ainda em 2005, e o pagamento das homologações. O espírito crítico dos organizadores mais experientes foram o nosso guia na organização da prova, pois o que existia sobre como organizar um evento desse porte era muito precário.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A ACP e Brasil - Parte II

Em 2005 a coisa complicou de vez.

Do lado de lá uma má-vontade com as coisas do RS, arriscaria dizer que tinha, acreditem, ciúmes pela magnitude dos eventos realizados aqui. :-( Na época existia um pensamento, felizmente de poucos, que achavam que para pedalar Audax tinha que ser ciclista de alto-rendimento, com bicicletas de última geração.

Do lado de cá não tinha nenhum santo. A má-vontade de lá era retribuída por aqui de maneira infantil, onde o expressivo número de ciclistas que participavam dos nossos eventos aparentemente nos dava o direito de nos considerar a última bolacha do pacote.

O que causou a ruptura definitiva entre o RS e o Clube Audax Brasil foram os incríveis R$ 9,00 que eles queriam cobrar para cada homologação!! Como tivemos mais de 500 brevetados em 2005 a conta ia ficar muito salgada e o Lucca simplesmente não homologou as provas. Não me cabe julgar se a atitude dele foi correta ou não, mas o custo que o ACP cobra para homologar um ciclista é de 0,45 euros, ou seja, cerca de 1 real. Segundo as informações que nos chegavam a diferença seria para bancar a estrutura do clube e todas as despesas decorrentes do fato de, naquela época, o CAB ser um clube constituído legalmente com presidente, vice, contador,....

O resultado de tudo isso é que as provas do RS de 2005 não foram homologadas e o Brasil após o ano de 2004, onde começou a aparecer nas estatísticas do ACP despencou na classificação geral.

Notícia de última hora: O Faccin gostou dessa série de posts e vai dar a versão dele desses mesmos fatos, por isso dentro em breve "muito sangue" vai rolar por aí. O gringo que mora em terra de alemães mistura em sua personalidade a fúria italiana com a teimosia alemã. :-)

Acho que esses posts vão dar muito o que falar. Dêem uma passada no blog que ele mantém para se manterem atualizados, por enquanto está sendo mostrado lá o que tem que ser feito para ser um Super Randounner.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A ACP e o Brasil - parte I

Tem uns negócios que já nascem enrolados, mas ao longo do tempo se enrolam mais :-(.

Desde o já distante 2004 o Brasil, mas mais especificamente o RS (tinha que ser a gauchada) tem uma relação um tanto quanto conturbada com a ACP e os seus representantes no Brasil. Em 2005 quase apoiamos o Irton Marx para que fosse criada a República dos Pampas, pois dessa maneira conseguiríamos tratar diretamente com Paris. :-)

Quem "apenas" se preocupava em pedalar não imaginava os "barracos" que rolavam nos bastidores, era uma troca incessante de emails que só não acabaram em briga pois a distância que nos separava era bem grande.

No primeiro ano da prova no RS o Lucca foi autorizado a organizar apenas as provas de 200 e 300km, o restante da série deveria ser pedalada em SP, na época o único estado brasileiro a organizar provas desse porte.

Na prova de 400km a gauchada lotou um ônibus e se "tocou" para SP, chegando lá se deram conta que a estrutura que era fornecida aqui no RS era bem superior a que eles podiam oferecer. Isso, aliado ao fato da gauchada ser a maioria na prova criou um clima meio ruim durante, mas principlamente após a prova. Rolaram umas baixarias via internet sem maiores consequências pugilísticas.

Mas essde clima acabou por minar a prova de 600km, pois daquele ônibus que foi a SP onde a maioria brevetou apenas 3 "malucos" se dispuseram a ir até lá de novo para dessa vez pedalar o 600: O Bagatini, o Graxa e o Otávio.

O Graxa não passou do Rodoviária de Poa, pois teve um problema e nem embarcou. O Otávio foi de avião e o Bagatini, bem... ele foi pedalando! Até onde me lembro ele só foi parte do caminho pedalando, pegou um ônibus e foi até Campinas.

Aquela prova teve apenas 9 ciclistas inscritos, dos quais 6 chegaram, dentre os quais os 2 gaúchos.

Ter pedalado o 600 deu a todos o direito de se aventurarem em provas maiores fora do Brasil, mas como o PBP havia acontecido no ano anterior o Bagatini resolveu ir pedalar o Audax 1200km da Austrália. Para ele conseguir a homologação do 600 foi um "parto de porco-espinho" que aconteceu praticamente na hora do embarque em Porto Alegre e só depois de muita insistência e bate-boca.

Isso foi em 2004, mas o pior momento dessa conturbada relação seria em 2005. Acho que até o fim de semana escrevo sobre isso.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Distribuição das provas por ano e mês no RS


A tabela acima mostra a distribuição das provas de Audax no RS agrupadas por mês e ano em que elas aconteceram, o quadrinho amarelo indica que naquele mês aconteceu uma prova no RS. Esse quadro não mostra a má distribuição das provas, onde chegamos ao absurdo de termos 2 provas no mesmo fim de semana, a maior concentração de provas acontece entre o final de março e o início de junho.

No verão ninguém quer correr o risco de brigar com o nosso calor senegalesco, no inverno só os sádicos do Faccin e do Guazzelli :-) organizam eventos e no segundo semestre ainda não se criou a cultura do Audax Randonne. Só o Valim em SCS em 2007 e 2008, o Luis Carlos de Pelotas em 2007 é que organizaram provas de 200km no segundo semestre, as demais provas organizadas nessa época não "couberam" no calendário do semestre anterior.

A prova da Sociedade Audax, que acontecerá dia 22/10, será o primeiro evento organizado no mês de outubro aqui no RS. Tomara que essa idéia prospere e que consigamos ter uma série completa no primeiro semestre e outra no segundo.

domingo, 6 de setembro de 2009



Enquanto o Maico e o Rogério fazem o rescaldo do 300 de Criciúma vai mais um post da série "estatísticas para ciclistas virtuais". O gráfico acima mostra um histograma dos tempos dos ciclistas que pedalaram Audax 200 no RS desde 2004 agrupados de hora em hora. Cada ano é representado por uma coluna e a média de todos os anos por uma linha.

Além de ser uma curiosidade, esse gráfico pode servir de base para novos organizadores, pois ele dá uma base para organizar a estrutura e os voluntários na chegada da prova.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Audax 300 Criciúma

Em épocas passadas esse blog fazia questão de comentar e divulgar todas as provas de Audax que aconteciam por aí, mas novos compromissos profissionais roubaram boa parte do tempo que eu tinha disponível, por isso hoje em dia mal consigo fazer as minhas estatísticas e ser um dos organizadores da prova de Lajeado. Pedalar então, nem pensar...

Mas para algumas provas, mesmo a distância, tento ser mais participativo. Foi assim na primeira prova que a Ninki organizou sózinha, o brevet dos Farrapos e agora a prova de Criciúma.

Os organizadores dessa prova são meus amigos pessoais, e mesmo a distância tenho um grande carinho pelo Maico e pelo Rogério, pois toda a história deles no Audax começou em 2007 aqui em Lajeado. Eles perderam as inscrições para a prova de SCS e acabaram vindo até aqui para pedalar o nosso 200. A estréia do Maico foi em "grande estilo", pois furou 5 pneus e chegou se arrastando até o PC3, lá o pessoal da Casa do Ciclista deu um jeito de fazer ele ressucitar na prova mesmo com os pneus aro 26 bico fino, pneu que só deve ser usado em Urussanga e Criciúma :-).

No fim do anos passado eu e meu afilhado resolvemos pedalar pelos Campos de Cima da Serra e queríamos terminar a viagem descendo a Serra do Rio do Rastro. Não importava muito a cidade onde terminaríamos a viagem ,mas ela precisava ser depois da descida. De imediato me lembrei do Maico e do Rogério e pedi a eles que nos arrumassem um lugar para que o meu compadre deixasse o meu carro lá em Urussanga.

Mas eles fizeram muito mais do que isso. O meu carro ficou na casa do Rogério, acabamos indo no aniversário dele naquela noite, dormimos e tomamos café da manhã na casa do Maico.

Vale ressaltar que até aquela data nós havíamos conversado apenas nas 3 provas que eles haviam pedalado em Lajeado e é óbvio que foram conversas muito rápidas, pois eram mais de 100 ciclistas inscritos. Ou seja, os nossos únicos elos de ligação eram a bicicleta e o Audax e mesmo assim isso foi mais do que suficiente para que nos sentíssemos em casa.

O entusiasmo pelo Audax fez com eles acabassem por assumir o 300 de Criciúma, ou simplesmente o Audax do Carvão. Todo o "trauma" que a estrada de terra deixou neles aqui em Lajeado eles estão devolvendo, com juros e correção, para quem for pedalar lá. A linda, mas terrível, Serra do Rio do Rastro, terá 740 dos seus mais de 1450 metros escalados durante a prova.


A foto acima mostra o Emílio sentado, atrás dele o Rogério e logo à direita eu e o Maico no posto de gasolina do Paulão, outro amigo de Urussanga na nossa passagem por lá em dezembro de 2008.

Um grande abraço, boa sorte e quem sabe um dia desses a gente pedale juntos por terras catarinenses.

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Antes do Mr. Tuffy

O pessoal de Criciúma, que está organizando o Audax do Carvão, prova de 300km a ser realizada no próximo fim de semana comentou que não ir de Mr. Tuffy na prova que eles estão organizando é dar uma demonstração de masoquismo. Uns 2 anos atrás publiquei aqui no blog algumas dicas para quem está começando na modalidade, acho que usar ou não esse acessório poderia ser enquadrado nessa categoria.

Em 2005 durante uma prova de 200 km realizada em Porto Alegre eu consegui a façanha de furar 4 pneus nos últimos 60km e como tinha apenas 2 câmeras reservas ao furar o pneu pela terceira vez tive que "abrir" uma borracharia na beira da BR290. A foto foi tirada pelo pessoal do INEMA que em 2004 e 2005 prestigiava as nossas provas.

Eu furar pneus durante o Audax já fazia parte da tradição da prova :-), o recorde foram 5 furos durante o 400 de 2006. À partir daquela prova comecei a utilizar o Mr. Tuffy e só fui ter novamente problemas com pneus em 2009 na prova de Ijuí. Mas daí os problemas foram outros.

Tem gente que acha que por causa do acréscimo de peso(195gramas) o Mr. Tuffy deixa de ser interessante, outros dizem que ele pode causar problemas se mal colocado. Eu nunca tive problemas desse tipo, além do que, 195 gramas a mais não vão mudar o meu resultado final, afinal de contas a minha bicicleta descarregada já pesa 16,5 kg. :-(

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Audax 6 anos - Os Farrapos

O ponto culminante dos 6 anos de história do Audax no RS foi a prova de 1000km realizada no fim do mês de julho. Dos 17 farrapos que completaram a prova apenas 4 pedalam desde o primeiro ano e 3 pedalaram só no ano de 2009.

O que fica claro é que esse pessoal se puxou esse ano, pois o número de provas acumuladas por eles foi quase o dobro que eles pedalaram em 2008. Alguns veteranos em provas de Audax ficaram pelo caminho durante o brevet de 1000km, principalmente por problemas mecânicos

Esses números são apenas referenciais, pois não posso garantir que esses dados reflitam a realidade desses 6 anos. Numa primeira análise já percebi que deva faltar uma prova da Lidiane nos meus arquivos, pois ela não tem nenhum 200 registrado em 2009.

Na medida do possível vou continuar tentando acertar eses números.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Audax 6 anos - tempo médio por prova e cidade

Essa tal de estatística não tem fim, se quiser tenho postagens por uns 3 meses só trabalhando com os tempos das provas.

A postagem de hoje mostra o tempo médio de cada prova realizada no RS até hoje. A forma de demonstrar esses números é que ficou meio confusa, mas não consegui pensar em nada melhor que pudesse deixar isso mais claro.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Audax 6 anos - Extrato individual

Enquanto reorganizo o meu banco de dados para que ele aceite as provas da UAF e os desafios, segue o "extrato" do Graxa. O Graxa, é na minha opinião, o ciclista que melhor representa o espírito do Audax, pois apesar de pedalar muito bem, jamais deixa alguém para trás, tendo inclusive em algumas oportunidades voltado para auxiliar alguma "alma necessitada".

Pelos meus controles, só no RS ele pedalou 39 provas de Audax Randonnée, totalizando 11.700km em mais de 624 horas de pedal!!!

Assim que os meus arquivos estiverem ok esse extrato poderá ser tirado para qualquer ciclista que já tenha pedalado alguma prova no RS.

domingo, 23 de agosto de 2009

Audax 100 km Santa Maria

Foi publicado a pouco no blog da prova de Santa Maria o nome dos 97 ciclistas que brevetaram a prova realizada no dia de hoje.

Numa análise preliminar cerca de 50% dos ciclistas que concluiram a prova são novos na modalidade, entre eles se "misturaram" ciclistas que foram ao PBP e que pedalaram o Audax 100 dos Farrapos relaizado a poucos dias.

Essas provas em pelotão são regidas pelas regras da Union des Audax Français (UAF), até hoje apenas Santa Cruz do Sul havia organizado provas desse tipo, Santa Maria é a segunda cidade brasileira a fazer isso.

Pretendo durante a próxima semana incluir essa prova nas minhas estatísticas, bem como o Fleche Veloce organizado no mês de abril.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Audax 6 anos - tempos médios por prova


A planilha acima faz exatamente o que o título da postagem afirma :-), ou seja, calcula o tempo médio que cada uma das provas em cada um dos anos levou para ser percorrida.

Tem 2 informações erradas nos meus arquivos. A primeira delas são os tempos da prova de 400km de 2005 que nunca teve os seus tempos publicados e que arbitrei como sendo 24 horas. A prova de Pelotas de 2007, incluída ontem nas minhas estatísticas, também não teve os tempos publicados, nesse caso arbitrei 12 horas.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Homologações 2009 - Antes tarde do que nunca

Até que enfim recebemos notícias das homologações de 2009! O Faccin acaba de receber o selos da nossa prova realizada no já longínquo mês de abril. Devo receber os selos no início da semana que vem e assim que tiver eles em mãos, pretendo enviá-los para o endereço indicado na inscrição da prova.

Das homologações de 2008 nem sinal!!

Obrigado ao Dênis que correu um bocado para conseguir essas homologações a ao Faccin, o eterno mala de plantão que com sua insistência fez isso acontecer.

Isso não deveria ser tão difícil, aliás, se todos fizessem a sua parte isso seria muuito fácil.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

As tabelas abaixo mostram a quilometragem pedalada à partir das cidades que organizaram provas. O primeiro quadro mostra a informação de forma sintética, enquanto que o segundo mostra essa informação aberta por cidade e ano. Essas tabelas já contemplam a correção feita a partir da observação do Faccin, na qual ele constatou que um 300 de 2009 organizado em SCS estava fora das estatísticas.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Audax 6 anos - "corressões"

Como era esperado algumas das informações postadas tinham erro! O Faccin me passou uma relação de ciclistas que fizeram um 300 em janeiro de 2009 em Santa Cruz do Sul e que não estavam contabilizados nos meus controles.

Segue abaixo as planilhas referentes as provas por cidades corrigidas.


Audax 6 anos - Quilometragem pedalada

O ano de 2009 foi o recordista em quilometragem pedalada aqui no RS, no total foram mais de 185 mil km. Tirando os ano de 2004, que foi quando a modalidade estrou no RS e 2007 quando só 3 organizadores se dispuseram a "bancar" a modalidade, nunca pedalamos menos de 140 mil km anuais.

O gráfico totaliza por ano e prova a quilometragem pedalada, para exemplificar, no ano de 2009 foram mais de 94 mil km pedalados em provas de 200km.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Audax 6 anos - Cidades que organizaram eventos

Na primeira tabela temos o número de brevetados por ano / cidade. Percebe-se claramente que o número de cidades que organizam provas (ainda) é pequeno. Ao longo desses 6 anos apenas 5 cidades organizaram provas válidas para o calendário do ACP, nessa lista as provas que largaram de Eldorado do Sul são computadas para Porto Alegre, pois são organizadas por entidades porto-alegrenses que se utilizam dessa cidade para fugir um pouco da violência que pode ocorrer perto da Ponte do Rio Guaíba.



Na segunda tabela a informação da tabela anterior é mostrada de outra maneira, agrupei as informações por cidade / ano. Assim podemos ver a participação de cada cidade ao longo desses 6 anos e qual o tipo de prova que cada uma organiza. O Faccin este ano optou por não organizar o seu 200, para organizar eventos mais longos. SCS foi "salva" pela prova que o Valim organizou no fim do ano passado que valeu para 2009.



As legendas referem-se a Lajeado(LAJ), Ijuí, Porto Alegre(POA), Caxias do Sul(CXS) e Santa Cruz do Sul(SCS).

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Audax 6 anos - Números totais

Com o auxílio do Bill Gates segue abaixo uma cópia de uma planilha Excel com o resumo das provas do RS desde 2004, nele faltam as provas de Pelotas de 2007 (que acho eu não era oficial) e o um 300 de 2009.

Em cada interseção da tabela é mostrado o número de ciclists que concluiram aquela prova num determinado ano, para exemplificar em 2009 foram 471 brevets de 200 km.

Numa análise superficial nota-se que nos últimos 2 anos o número de brevetados aumentou de forma significativa, superando inclusive os números de 2005 e 2006.

Tem um outro detalhe que chama bastante atenção, é o crescimento do número de ciclistas nas provas maiores. Em 2009 registramos o maior número de brevetados nos 400 e 600km nos 6 anos do Audax Randounee no RS.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Audax - 6 anos pedalando pelo Rio Grande

O Audax no RS chegou ao fim de sua 6a. temporada coroado de um êxito que os idealizadores dessa modalidade aqui no estado jamais poderiam imaginar. No início o Lucca, o Guazzeli e o Faccin encabeçaram essa cruzada que até hoje insiste em cruzar as serras, colinas e campos do Rio Grande do Sul não se importando com a chuva que molha a alma, o frio que "rengueia os cusco", o calor que derrete o asfalto e nem com o vento minuano que gela até a alma.

Nas próximas postagens pretendo mostrar como essa modalidade se tornou sucesso desde a primeira edição, para 3 anos depois encolher perigosamente para logo depois, em 2008 e 2009, se solidificar como um evento que tem tudo para fazer parte do cotidiano dos gaúchos.

Todos os números que serão mostrados foram coletados de sites, blogs ou foram cedidos gentilmente pelos organizadores das provas. Nesse grande apanhado falta apenas o 300km organizado pelo Clube Audax Porto Alegre em 2009, que não publicou esses dados em nenhum local, por isso se alguém tiver essas informações peço gentilmente que me repasse via email.

Para iniciar essa série de postagens cito apenas alguns números:
1.204 ciclistas cruzaram a linha de chegada por 3.209 vezes, tendo sido pedalados até agora a bagatela de 800.600 km, ou seja, o equivalente a 20 voltas ao redor da terra.

Prometo pelo menos 2 postagens por semana até o material ser todo publicado.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Audax 1000 - O viking verde-amarelo

Abaixo tem um vídeo mostrando a chegada do último "farrapo" do Audax 1000. O ciclista em questão é o meu amigo, e amigo de todos que fazem Audax, Mogens Nielsen. O seu brado de guerra, acredito eu, remonte a um passado muito remoto quando os vikings cruzavam a noite aterrorizando seus inimigos. :-)



Durante o último Audax 400 ele completou 60 anos, se bem que o seu espírito viking, já que ele é dinamarquês de nascimento e brasileiro por opção, não permite que a alma envelheça. E é essa alma, esse espírito jovem que lhe permite fazer coisas que poucos "guris" se arriscam a fazer. É claro que, como todo guri ele nos apronta de vez em quando, pois por 2 vezes o Mogens ficou hospitalizado após provas de Audax.

Da primeira vez, num 300 de 2006, ele caiu a menos de 100 metros da chegada sofrendo na ocasião um deslocamento da bacia, esse acidente lhe custou umas quantas semanas de internação em Porto Alegre. O segundo grande susto foi no ano passado quando ele "saiu da estrada" durante uma prova em Curitiba, dessa vez umas costelas quebradas deixaram ele num hospital paranaense por alguns dias.

Conheci o Mogens durante o primeiro Audax 200 de Lajeado em 2006, pois ele junto com o Glademir vieram pedalando de Ijuí até Lajeado. Aquelas 2 figuras impagáveis chegando de bicicleta para pedalar um 200 quase se igualaram ao Udo, o nosso Forrest Gump tupiniquim, dando a nossa prova um colorido especial.

A paixão pelo ciclismo foi tão grande que não coube dentro dele, dali surgiu o embrião que hoje é o Ijui Bikers, hoje tão bem conduzido por outro amigo, o Marcos. Já em 2007 ocorreu o primeiro Audax 200 de Ijuí, prova que me orgulho de ter me inscrito nas suas 3 edições e completado a prova por 2 vezes. A prova de Ijuí é uma prova que surgiu tímida, mas que hoje é uma ótima referência para toda a região oeste do estado do RS e na última edição teve mais de 80 inscritos.

Durante todo o sábado estávamos preocupados com a possibilidade dele não conseguir chegar dentro do tempo, pois estava "lambendo" os tempos de fechamento dos Pc's, mas a chegada da noite lhe fez muito bem, possibilitando que a chegada fosse dentro do prazo estabelecido.

A chegada foi emocionante, pois estava sendo acompanhado pelo Erich, que foi seu anjo da guarda desde General Câmara e pelo Miguel, anjo da guarda, diretor de prova, mecânico, conselheiro,... de todos os inscritos no Brevet dos Farrapos. Em frente ao Hotel estavam menos de 10 pessoas entre voluntários e ciclistas que completaram, ou não, os 1000km sendo que a emoção tomou conta de todos nós, pois naquele momento um amigo completava a maior prova de ciclismo realizada de forma contínua no Brasil, coisa inimaginável a poucos anos atrás.

Quando, daqui a alguns anos, for contada a história do ciclismo de longa distância no Brasil o evento que se encerrou ontem pela manhã terá um lugar muito especial. E nessa história não estará só o Mogens, pois estarão junto a ele o Pexe, o Saul, o Cicero, o Luiz Faccin, o Rodrigo, o Bughera, o Udo, o Rubens, o Rogério Bernardes, o Edson, o Isac, o Dacivaldo, o Luís Lazary, o Jonas, a Lidiane e o Jeferson.

Os meus sinceros parabéns a eles, deixando claro que nesse cumprimento tem um ponta (grande) de inveja.

Sobre o Luiz Faccin, ciclista, organizador e super-randonneur eu escrevo outra hora, pois o cidadão é um capítulo à parte. ;-)