terça-feira, 18 de setembro de 2007

Audax Pelotas - O meu relato

Completei nesse fim de semana o meu décimo Audax 200 e como não poderia deixar de ser, aprendi mais um pouco. Aprendi que enfrentar mais de 100km de vento contra exige muito mais do que um bom par de pernas, exige paciência, perseverança e companheirismo. Pois, se unirmos vento contra com um número interminável de sobes e desces pela coxilhas rio-grandenses temos a receita de uma prova dura, por sinal, mais dura do que eu esperava.

A ida, com o vento à favor, foi uma maravilha, me senti o Lance Armstrong pedalando a mais de 30km/h morro acima. Ao me dar conta que era o vento e não o preparo físico que fazia eu e o Mogens irmos bem mais rápido do que imaginávamos ir, me preocupei em não perder muito tempo com paradas inúteis, pois a volta seria difícil e não era aconselhável desperdiçar tempo.

Apesar de algumas colinas que não estavam no planejamento chegamos no PC1 com uma boa velocidade média, ficamos menos de 15 minutos parados e seguimos. Uns 20 km depois desse PC começaram as subidas, e não eram apenas subidas era um soooobe e desce que não terminava nunca, ou melhor depois do km 85 era praticamente só subidas. Faltando uns 2 km para o PC2 o Mogens furou um pneu, nesse momento o Graxa e o Bagatini nos alcançaram e seguimos juntos até o Posto da PRF onde o Luiz e alguns voluntários nos esperavam.

Ficamos menos de 20 minutos e começamos a voltar. Nos primeiros metros já deu para perceber que havíamos tomado a atitude certa em não perder tempo na vinda, o vento era de frente e não era possível nas retas pedalar a mais do que 15 km/h, nas descidas não passávamos de 30km/h. Nesse momento estávamos eu, o Bagatini e o Mogens juntos, num ritmo bem lento, mas suficiente para chegarmos com folga. Depois de uns 20km pedalados comecei a perder rendimento, certamente causado pela pouca quantidade de alimentos consumida ao longo da prova. Nas subidas mais fortes eu engatava a coroinha e subia a uns 7-8km/h, nessa altura da prova os meus parceiros tinham de me esperar ao fim de cada subida. Desse jeito conseguimos chegar ao PC3, foram cerca de 55km que levamos mais de 3 horas e 30 para percorrer!!! Lá me alimentei devidamente para seguirmos até o centro de Pelotas.

Do PC3 até Pelotas tínhamos os primeiros 20 km de sobe e desce, depois a estrada ficava mais plana. O nosso trio foi modificado, saiu o Mogens, que foi na frente e entrou o Udo. Com o anoitecer e a aproximação do centro da cidade tivemos de redobrar os cuidados, principalmente na BR116 e no centro da cidade. Em algum momento "perdemos" o Udo e acabamos chegando eu e o Bagatini juntos depois de 215 km e 12 horas e 20 de prova. Foi o meu Audax 200 mais comprido e onde o vento foi um fator de desgaste físico e psicológico muito grande.

Vou ver se amanhã eu baixo as fotos e os filmes que fiz durante a prova, se o pessoal de Pelotas estiver lendo esse relato peço que me mandem as suas fotos, pois eu para variar, só tirei uma meia-dúzia.

3 comentários:

19 de set de 2007 06:43:00
Anônimo disse...

Quando cheguei em casa comentei para minha esposa.
Vamos para avenida (altar da pátria) por que eu quero
que conheças meus novos amigos.
Novos amigos sim como criança diz. Apesar de eu não ter gravado
o nome de ninguém posso dizer que tenho novos amigos.
Encontrei neste grupo pessoas como eu:
Amantes do ciclismo, da natureza,... companheiros de indiada.
Posso dizer que eu era um ciclista solitário, agora eu já me sinto
inserido neste grupo tão especial que são os audaxianos.
Paciência, perseverança e muita vontade de pedalar é isso que
nos tras forças para enfrentar mais de 100km com vento na cara.
Obrigado a todos por esta oportunidade.
Otávio.

20 de set de 2007 17:28:00
Kieling disse...

Pode ter certeza de que o sentimento de nós que estivemos pedalando em Pelotas é recíproco em relação à vocês. Começar algo novo como o Audax numa região onde não se tem esse hábito é um desafio, menos mal que ele está em boas mãos.

Abraços
Kieling

22 de set de 2007 23:02:00
Filipe disse...

Que show de relato !
Vento contra não é fácil, já tive experiência pedalando na praia com isso, na ida fazia médias de 28km/h e na volta se fazia a metade era muito. hahaha

O Mogens furando pneu? Que novidade... rs

Abraços, galera.
Filipe

Postar um comentário